Como tudo começou

01/04/08

OS LIVROS SÃO OS MEUS OLHOS MÁGICOS




Há muito, muito tempo, vivia na Índia antiga um rapaz chamado Kapil. Além de gostar muito de ler, era extremamente curioso. Tinha a cabeça cheia de perguntas. Por que motivo o Sol era redondo e por que mudava a Lua de forma? Por que cresciam tanto as árvores? E por que razão as estrelas não caíam do céu?
Kapil procurava as respostas em livros de folha de palmeira escritos por homens sábios. E lia todos os livros que encontrava.

Ora, um dia, estava Kapil ocupado a ler quando a mãe lhe deu um embrulho e disse: "Arruma o livro e leva esta comida ao teu pai. Já deve estar cheio de fome."
Kapil levantou-se com o livro na mão e fez-se ao caminho. Enquanto percorria o duro e acidentado trilho que atravessava a floresta, não parava de ler. De súbito, o seu pé bateu numa pedra. Tropeçou e caiu. E logo um dedo começou a sangrar. Kapil ergueu-se do chão e continuou a caminhar e a ler, com os olhos colados ao livro. Não tardou a bater noutra pedra e, uma vez mais, estatelou-se. Desta feita doeu-lhe mais, mas o texto escrito em folha de palmeira fê-lo esquecer as feridas.

De repente, um clarão surgiu e ouviu-se um riso melodioso. Kapil levantou os olhos e deparou com uma formosa senhora, vestindo um sari branco. Ela sorria e uma auréola de luz rodeava-lhe a cabeça. Estava sentada num cisne branco e gracioso. Numa das mãos trazia um luminoso rolo de pergaminho. Com outras duas segurava um instrumento de cordas chamado veena. Estendeu a quarta mão para o rapaz e disse: "Meu filho, estou impressionada com a tua sede de conhecimento. Quero dar-te uma recompensa. Qual é o teu maior desejo?"

Kapil pestanejou de espanto. Diante dele encontrava-se Saraswati, a Deusa do estudo. No instante seguinte, o rapaz cruzou as mãos, fez uma vénia e murmurou: "Por favor, Deusa, dá-me um segundo par de olhos para os pés, a fim de que eu possa ler enquanto caminho."
"Assim seja" - e a Deusa abençoou-o. Tocou na cabeça de Kapil e a seguir desapareceu entre as nuvens.

Kapil olhou para baixo. Um segundo par de olhos brilhava-lhe nos pés e ele deu um salto de alegria. Logo a seguir, fixou os olhos no livro e desatou a caminhar pela floresta, apenas conduzido pelos seus pés.

Graças ao amor pelos livros, Kapil cresceu e tornou-se um dos sábios mais ilustres da Índia. Em toda a parte era conhecido pela sua imensa sabedoria. Também lhe puseram outro nome, Chakshupad, que em sânscrito significa "aquele cujos pés têm olhos".

Saraswati é a deusa do estudo e do saber, da música e da fala.
Esta é uma antiga lenda indiana sobre um rapaz que descobriu como o saber é transmitido pelas palavras, essas palavras que os homens sábios escreviam em manuscritos de folhas de palmeira.

Os livros são os nossos olhos mágicos. Dão-nos informação e conhecimentos e servem-nos de guias nos difíceis e acidentados caminhos da vida.

MANORAMA JAFA
(tradução: José António Gomes)

Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas

FC


6 comentários:

Gi disse...

Histórias que nos fazem sonhar e ter vontade de ler:)
Obrigada, Fátima, por este momento de prazer ;)

M.A.R. disse...

Muito gira a história Fátima mas, se fosse hoje penso que o Kapil pedia antes um "GPS-tipo Zulmirinha". Desculpe a minha brincadeira!

Fatima disse...

Gi quando encontrei esta lenda, lembrei-me de ti e imaginei-te com o teu ar vivo e traquina, a correr com um livro na mão. Tu que adoras livros e ler e ser reguila, tudo encaixa.
Esta lenda foi postada comu uma pequenina lembrança para ti, e é claro mais uma curiosidade para os que nos lêm.

Fatima disse...

Saíu um erro. As minhas desculpas

Fatima disse...

Uma Zulmirinha....
Amélia ainda um dia vai ter que contar quem é essa personagem...

Anónimo disse...

A Zulmirinha andou um pouco baralhada na viagem que fizemos a S Domingos de Rana. A culpa não foi dela, coitadinha, a localização é que não estava correcta. Francisca

Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização