Como tudo começou

30/06/08

AVEIRO E AS SUAS ENGUIAS


Falar de Aveiro e da sua Ria, bem como de toda aquela zona envolvente ( Ílhavo, Murtosa, Estarreja, Ovar), no que toca à gastronomia, sem referir as enguias, é quase como ir a Roma e não ver o Papa. São muitas as receitas de cozinhados que se fazem com elas, mas, as mais tradicionais, são sem dúvida, em caldeirada, fritas ou em molho de escabeche. Refiro que o escabeche de enguias, já industrializado, viaja hoje para várias zonas do país e estrangeiro, acondicionado nas típicas barricas, quantas vezes para matar a saudade de gente aqui nascida e que teve que emigrar em busca de melhor vida.
Também muita gente já comeu a característica caldeirada e dela ficou com boas recordações. Pois bem, a estes que gostarão de a repetir e aos outros que ainda não tiveram oportunidade de a provar no local, darei a possibilidade de irem até à cozinha experimentar a receita que deixo a seguir.
Trata-se de uma receita antiga e vai tal qual a encontrei escrita. Aviso que terão mesmo que fazer a conversão de “$” para “€” e, também, calcular a relação preço/quantidade do ingrediente mencionado!…


CALDEIRADA DE ENGUIAS À PESCADOR

1,5 Kg de batatas / 2 dúzias de enguias / 1$00 de unto de pão / 1 tomate / salsa q.b. / 1 folha de louro / 2 cebolas / 2 colheres das de chá de pó de enguias / 1 ramo de hortelã / vinagre q.b. / pimenta q.b. / 1,5 decl. de azeite e 2 dentes de alho.

Põe-se um tacho no lume com água, azeite, cebola às rodelas, tomate, salsa, hortelã, pimenta, louro, unto de pão, batatas às rodelas, sal e as enguias, já amanhadas. Quando estiver cozido,(verifica-se carregando na parte mais grossa das enguias, com dois dedos), tira-se o unto de pão, para uma malga, miga-se com um pouco de sal, juntando-o novamente no tacho.
Para uma terrina, cortam-se bocados de pão, sendo melhor o da véspera e, em cima deste, põe-se o molho das enguias. Deste modo fica feita a sopa.
Colocam-se depois as batatas e as enguias numa travessa e, em cima entorna-se o molho que é preparado da seguinte forma: _Numa malga deitam-se 2 conchas de caldo, vinagre, sal e alhos cortados em bocadinhos. Mexe-se tudo e entorna-se por cima das enguias.

P.S.- “Unto de pão”é gordura da barriga do porco colocada no sal durante uns dias. “Pó de enguias” é açafrão da Índia.

M.A.

29/06/08

ADUFE-INSTRUMENTO DE PERCUSSÃO



Instrumento musical português. É um pandeiro bimembranofone quadrangular. No seu interior são colocadas sementes ou pequenas soalhas a fim de enriquecer a sonoridade. Os lados do caixilho medem aproximadamente 45 centímetros. O adufe é segurado pelos polegares de ambas as mãos e pelo indicador da mão direita, deixando deste modo os outros dedos livres para percutir o instrumento.


Foi introduzido pelos árabes na península Ibérica entre os séculos VIII e XII. Hoje, encontra-se essencialmente concentrado no centro-leste de Portugal (distrito de Castelo Branco), onde é executado exclusivamente por mulheres, acompanhando o canto sobretudo por ocasião das festas e romarias. Na região de Trás-os-Montes, o adufe tem a designação de pandeiro.

Na tradição oral, nomeadamente nos versos de algumas canções que são acompanhadas pelo adufe, é referida a madeira do instrumento como sendo de "pau de laranjeira". Esta referência, de certo simbólica pela ligação entre a flor de laranjeira e o matrimónio, é reforçada por outra particularidade da construção do instrumento que refere ser a pele de uma das membranas de um animal macho e a outra de um animal fêmea. Dizem as tocadoras de adufe que a razão de ser desta diversidade se traduz na harmonia do instrumento e na maneira como ele soa.


Este testemunho dá pistas para a iconografia mágica ligada ao instrumento, à sua construção e mesmo à sua utilização, que tradicionalmente era reservada a executantes femininos. Também a sua forma quadrada, ao tornar mais difícil a manutenção da pele esticada, levanta questões sobre o carácter simbólico do instrumento e acentua a sua particularidade face ao "bendir" árabe ou ao "bodrum" seu congénere céltico.


Nota- Pesquisa feita na Net.


M.A.

Embarcações tradicionais do Rio Tejo - BATEL


Embarcação do princípio do século e típica do Tejo, de convés corrido, proa dentada e popa inclinada onde fixava um leme de charolo. Umas espadelas laterais ajudavam nas manobras. O mastro, acentuadamente inclinado para vante, armava um grande latino bastardo. Possuía também um pequno estai amurado num gurupés. Era normalmente usado na pesca e no transporte de pessoas e carga entre as duas margens do rio.

28/06/08

MALUDA E OS SEUS QUIOSQUES DE LISBOA

“Vim do Oriente, onde nasce a luz; passei por África, onde aprendi a amar a vida; cheguei à Europa, onde estudei pintura na cidade das luzes; depois fixei-me em Lisboa. Gradualmente refiz o percurso labiríntico em direcção à luz. Cada passo revela, à sua maneira, esse jogo de sombras e de luz que é a vida e a morte, a sabedoria e a ignorância. Eu pinto. É uma aventura que não troco por nenhuma outra.”MaludaRevista Galeria de Arte, nº 5, Julho/Agosto de 1996in, Maluda

Por sugestão da Fátima, aqui ficam os quiosques que Maluda ( Maria de Lourdes Ribeiro) pintou, reproduzidos numa emissão de selos. As palavras que abrem este apontamento foram escritas pela própria Pintora. São como que uma apresentação sua, bastante sucinta, mas nestas poucas palavras, já nos diz muito a seu respeito. Ela nasceu em Pangin, Índia em 1935 e morreu em Lx., apenas com 64 anos, em 1999. Voltaremos, qualquer dia, para falar desta Pintora e sua obra, com mais pormenor. M.A.

Selos Quiosques de Lisboa, 1985














Quiosque da Calçada R. dos Santos (verde)
Quiosque do Tivoli (vermelho)












Quiosque do Porto de Lisboa (branco)
Quiosque Rua da Artilharia I (azul)


O selo Quiosque do Tivoli (vermelho) venceu o prémio”Melhor Selo em Offset” atribuído pelo Government Postage Stamp Printers’ Conference, que decorreu de 14 a 16 de Setembro de 1987, em Washington (Estados Unidos).
Reproduções offset foram feitas a partir de originais em gouache.Foram feitas serigrafias de cada um dos quiosques e um baralho de cartas, numa edição dos CTT.

(NOTA - Elementos recolhidos na Net)

Embarcações tradicionais do Rio Tejo - FRAGATA

É com certeza a embarcação mais emblemática do rio Tejo. Embarcação de certo porte, bojudo e pesado, media entre 20 e 25 metros de comprimento. Armava estai e vela grande de carangueja içada junto ao mastro com acentuada inclinação para ré. Tinha duas câmaras, uma à proa e outra à ré, decoradas nas anteparas.
Um pequeno bote era levado a reboque o qual servia para rebocar a fragata à força de remos nos momentos de calmaria. A sua tripulação era apenas de três homens.
fc

27/06/08

Embarcações tradicionais do Rio Tejo - CANOA CACILHEIRA


Embarcação muito semelhante à fragata mas de menor porte e dimensões. A sua função principal era o transporte de cargas e o transbordo de mercadorias entre navios ancorados ao largo e terra. Armava uma vela de carangueja e uma vela de estai amurada numa vara com funções de gurupés. Media entre 11 e 12 metros de comprimento.

26/06/08

UM NOVO ORIGAMI-CABEÇAS DE RAPOSA


De novo à conversa com os nossos leitores mais novos para mais um origami. Como já dei a explicação desta palavra anteriormente, não a repetirei. Procurem, por favor, o post anterior de 16/5.
Hoje, até porque já muitos estão em férias, convido-vos a fazerem estas giras cabeças de raposa para brincarem aos teatros com os vossos amiguinhos. Não são nada difíceis de fazer, mas, se for preciso, um familiar mais velho dá uma ajuda. Basta olharem para os desenhos e irem seguindo as dobragens que são indicadas. Escolham papeis de cores diferentes para o vosso trabalho ficar ainda mais alegre. Mãos à obra.

Como fazer:
1- Por cada cabeça, dobrem a folha de papel de acordo com os passos de 1 a 8.
2- As dobragens 5 e 6 fazem-se de um e outro lado.
3- Ao abrirem o trabalho de acordo com o passo 7 fica um chapéu de barco.
4- Abram esse chapéu e pressionem ao longo do centro transversal, fazendo cair um canto sobre o outro canto, resultando numa boca.(passo 8).
5- Colem então os olhinhos de plástico. (Vendem-se nas lojas de artes decorativas).

Então amigos? Resultou ou não? Tenho a certeza que sim?
Até qualquer dia!...

M.A.

«TOM E HUCK», ao ar livre, no Jardim Botânico da Ajuda.


Como uma forte vertente ambiental o espectáculo está considerado dentro das comemorações oficiais do Ano Internacional do Planeta Terra que decorre entre 2007 e 2009 e tem o apoio institucional da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e da União Internacional das Ciências Geológicas (IUGS).


Até 13 de Julho, aos Sábados, Domingos e feriados ou durante a semana para grupos cá estaremos para vos receber. Informações e Reservas pelo 214531277 ou 917616954.

Animarte

fc

O Flautista de Hamelin


A mais antiga figura que ilustra o conto

E um conto tradicional, reescrito pela primeira vez pelos Irmãos Grimm e que narra um desastre fora de comum na cidade de Hamelin, na Alemanha, em 26 de junho de 1284.
Em 1284, a cidade de Hamelin sofria com uma infestação de ratos. Um dia, chega à cidade um homem que reivindica ser um "caçador de ratos" dizendo ter a solução para o problema. Prometeram-lhe um bom pagamento em troca dos ratos - uma moeda pela cabeça de cada um. O homem aceitou o acordo, pegou numa flauta e hipnotizou os ratos, afogando-os no Rio Weser.

O flautista de Hamelin (ilustração de Kate Greenaway)

Apesar de obter sucesso, o povo da cidade não cumpriu a promessa feita e recusado-se a pagar ao "caçador de ratos", afirmando que ele não tinha apresentado as cabeças. O homem deixou a cidade, mas voltou várias semanas depois e, enquanto os habitantes estavam na igreja, tocou novamente a sua flauta, atraindo desta vez as crianças de Hamelin. Cento e trinta meninos e meninas seguiram-no para fora da cidade, onde foram enfeitiçados e trancados numa caverna. Na cidade, só ficaram seus opulentos habitantes com os seus celeiros repletos e dispensas bem cheias, protegidas pelas suas sólidas muralhas e um imenso manto de silêncio e tristeza.

E foi isso que sucedeu há muitos, muitos anos, na deserta e vazia cidade de Hamelin, onde, por mais que se procure, nunca se encontra nem um rato, nem uma criança.

fc

TU ÉS PEDRO E SOBRE TI EDIFICAREI A MINHA IGREJA


Diz-nos a história chegada até nós que S. Pedro foi o escolhido do Senhor para continuar a sua doutrina e fundar a sua Igreja, conjuntamente com S. Paulo.
O conhecimento de ambos fez-se num dia que Cristo tinha, reunida em Cafarnaum, uma multidão a quem iria falar e pediu a Pedro, que era pescador, que emprestasse uma das suas barcas, para, dentro dela, e um pouco mais afastado da praia, assim O poderem ouvir melhor. Depois, dado que os pescadores se lamentavam do pouco peixe que tinham apanhado nesse dia, Jesus mandou que deitassem de novo as redes e a pesca foi tão abundante que, Pedro, cheio de espanto e humildade, apercebendo-se que estava perante um ser superior logo se prostrou por terra e disse ser indigno de estar junto Dele. Julga-se ter sido esta a ocasião em que Jesus o convidou para ir consigo e passar a “ser pescador de homens”.O seu nome de Baptismo que era Simão foi também modificado para Pedro. É bastante conhecida também a frase com que Jesus lhe explicou o que esperava dele:_”Tu és Pedro e sobre ti edificarei a minha igreja.”

Efectivamente Pedro seguiu o Senhor e ficou mesmo considerado na História como o Príncipe dos Apóstolos. Exerceu episcopado em Antioquia e foi depois para Roma como seu primeiro Bispo. Aí esteve, até ser expulso com os cristãos e judeus pelo Imperador Cláudio. Os tempos eram muito conturbados e, ele, depois de passar por várias vicissitudes acaba como mártir no dia 13 de Outubro do ano 64 d.C , data de uma inscrição encontrada em escavações, iniciadas pelos anos 50, sob a Basílica do Vaticano. Acabou crucificado, mas, a seu pedido, de cabeça para baixo por, uma vez mais se achar indigno, de partilhar morte semelhante à do seu Mestre.
Essas escavações acabaram por mostrar determinados restos mortais que se acreditou serem de Pedro e por isso, colocados num túmulo que se encontra, hoje, na Cripta da Basílica do Vaticano. Passou a ser esse o local de enterramento de muitos outros Papas da Igreja Católica
Ele aparece-nos representado nas Igrejas com uma figura de ancião , tendo geralmente nas mãos chaves que, dizem, servirão para abrir as portas do Céu aos que tiverem mérito para aí entrarem.

O povo também gosta de festejar o S. Pedro e, fá-lo no dia 29 de Junho. Que eu conheça, não há nenhum costume que caracterize especialmente esta festa, em relação às outras que já descrevi. Várias localidades do País cantam, bailam e petiscam as já tradicionais sardinhas e carnes, em honra do Santo . Aqui, nas redondezas, talvez seja de nomear as comemorações de Sintra que igualmente faz desse dia o seu Feriado Municipal. Os festejos são entre 20 e 29 de Junho, mais exactamente em S. Pedro de Penaferrim, umas das freguesias de Sintra, que escolheu este Santo como seu orago.
E pronto. Encerro hoje, com o S. Pedro, o trio dos Santos Populares.

M.A.

25/06/08

Jardim Botânico da Ajuda

Este jardim do tipo italiano com dois níveis, é um oásis no meio da ruidosa Belém. Possui 3,5 ha e é de acesso restrito (pago).

A entrada, por um portão verde num muro cor-de-rosa, passa despercebida. O jardim inclui árvores tropicais e sebeS geométricas em volta de canteiros de flores. As principais atracções são o dragoeiro com 400 anos, original da Madeira, e a grande fonte do século XVIII com serpentes, peixes alados, cavalos-marinhos, e figuras míticas. Existe também um grande terraço que oferece uma vista sobre o nível inferior do jardim.

HISTÓRIA DO JARDIM
Em Portugal, o jardim botânico mais antigo é o da Ajuda. A sua história remonta a 1755, depois do Terramoto de Lisboa, em que o rei D. José I transferiu a sua corte, dos arredores da capital, para a Ajuda. Este local foi escolhido por esta zona não ter sido afectada aquando do Terramoto. Em 1768, nasceu o Real Jardim Botânico. Domingos Vandelli foi o criador deste jardim, o qual transpôs para a capital Portuguesa o jardim botânico da sua cidade natal - Pádua. No entanto, Vandelli não iniciou os trabalhos de construção do jardim sózinho, mas contou com a preciosa ajuda de Júlio Mattiazi, o primeiro jardineiro de Horto Botânico de Pádua.

A construção deste jardim, que tinha apenas como objectivo proporcionar lazer à família real e educar os príncipes e netos do monarca, contava já nos finais do séc. XVIII uma valiosa colecção com cerca de 5000 espécies.

A primeira invasão francesa, em 1808, arrasa a maior parte das colecções do Real Jardim Botânico, comprometendo o plano expansionista do jardim. A reactivação do jardim só veio a acontecer com o regresso de D. João VI do Brasil e, com a proclamação da República, foi aberto ao público.

Em 1811, o professor da Universidade de Coimbra, Félix de Avelar Brotero, foi nomeado por D. João VI director do Real Museu e Jardim Botânico da Ajuda. A morte de Brotero, em 1828, trouxe à investigação botânica perdas irrecuperáveis. De tal modo que a investigação entrou em decadência. Assim os Jardins Botânicos de Coimbra e da Ajuda deixaram de ser devidamente cuidados, ficando num estado de degradação até meados do século XIX.

Em 1837, o Real Museu e o Jardim Botânico da Ajuda foram confiados à administração da Academia das Ciências de Lisboa. Em 1838, com a fundação da Escola Politécnica de Lisboa, o Jardim Botânico da Ajuda viria a deparar-se com novas perspectivas. A necessidade da Escola Politécnica ter um jardim botânico para o desenvolvimento do seu trabalho, levou a que neste ano o Jardim Botânico da Ajuda e o Real Museu fossem incorporados nesta instituição. Em 1918, foi colocado sob responsabilidade do Instituto Superior de Agronomia (ISA).

Saiba tudo sobre o Jardim, aqui


24/06/08

ONDAS DE CONTOS -Praia da Torre 27/06/2008


LUA, ESTRELAS E ESTÓRIAS DE ENCANTAR ANIMAM NOITE NA PRAIA

A Lua e as estrelas já marcaram lugar e prometeram assistir a mais uma “Onda de Contos” que envolverá gente de todas as gerações numa viajem pelas estórias que os contadores de serviço revelarem. O encontro está marcado para o dia 27 de Junho, às 21H00, na praia da Torre, em Oeiras.

Programa:

Apresentação do grupo de Capoeira Meia Lua Abada capoeira

Apresentação do grupo de Adolescentes “O Mercador de coisa nenhuma” – António Torrado

Representação da Bolsa de Contadores da BMO

António Gouveia – João e os Monstros Autoria do Próprio.
Helena Gravato – O Passeio do Senhor Calvino de Gonçalo M. Tavares
Antonella Gilardi – O Conserto do Avô de Stefano Benni
Ana Lage – Os Amantes. Conto tradicional do Tibete
Claudia Carvalho – Tia Clemência de Angeles Mastretta
Luisa Rebelo – O Infeliz noivo de Aurélia de Mark Twain
Sofia Maul- Cidade do Chiu Popular versão Maricuela
Joana Aguiar- O velho o Rapaz e o Burro Conto Tradicional Português

Novos Contadores formados este ano:

Margarida Vieira – “ A Girafa que come Estrelas” - José Eduardo Agualusa
Sandra Gonçalves –
Rita Vilela – O Lenço que Sonhava Ser Balão - Autoria da Própria
Paula Cristina Margato Guerra – O Unicórnio e o Desejo – Tim Bowley
Teresa OOm – As Preocupações do Billy - Anthony Browne.
Elisabete Nunes - A árvore das Dádivas - Shel Silverstein

Mais informações aqui

fc

23/06/08

Quiosques









Lisboa Porto

Um quiosque (do francês kiosque, derivado do turco köşk, do persa košk que significa pavilhão) é uma pequena construção aberta por todos os lados, geralmente de planta octogonal e erigida em lugares públicos.

Estruturalmente, um quiosque é composto pelas seguintes partes:

  • cúpula;
  • protecção, eventualmente completada por um toldo;
  • corpo;
  • balcão;
  • base.

Usualmente destina-se à venda de jornais, revistas, flores ou pode funcionar como bilheteira, posto de informação ou sanitários públicos.

fc

21/06/08

21/06 - Solstício de Verão


O solstício ocorre duas vezes por ano: na noite mais longa e no dia mais longo. Quando o solstício ocorre no inverno significa que esse dia é o menor do ano e a noite é a mais longa. Quando ocorre no verão significa que é o maior dia e a menor noite do ano.
Em astronomia, solstício é o momento em que o Sol, durante o seu movimento aparente na esfera celeste, atinge o seu maior afastamento em latitude, da linha do equador. Os solstícios ocorrem duas vezes por ano: em 21 de Dezembro e em 21 de Junho.
No hemisfério norte o solstício de Verão ocorre no dia 21 de Junho, e o solstício de Inverno ocorre no dia 21 de Dezembro. Estas datas marcam o início das respectivas estações do ano neste hemisfério.
No hemisfério sul é o contrário. O solstício de Verão ocorre no dia 21 de Dezembro, e o solstício de Inverno ocorre no dia 21 de Junho.


Estas datas marcam igualmente o início das respectivas estações do ano neste hemisfério.
Devido à órbita elíptica da Terra, as datas nas quais ocorrem os solstícios não dividem o ano num número igual de dias. Isto ocorre porque quando a Terra está mais próxima do Sol (periélio) viaja mais velozmente do que quanto está mais longe (afélio).
Os trópicos de Câncer e Capricórnio são definidos em função dos solstícios. No solstício de Verão no hemisfério sul, os raios solares incidem perpendicularmente à Terra na linha do Trópico de Capricórnio. No solstício de inverno, ocorre a mesma coisa no Trópico de Câncer.

20/06/08

Viana do Castelo - 750 anos


No âmbito das Comemorações dos 750 Anos do Foral Afonsino que Viana do Castelo realiza durante toda a semana, está previsto um monumental fogo de artificio na noite do próximo sábado, que será lançado de trinta e dois pontos diferentes da cidade. O fogo-de-artifício, a cargo da empresa Pirotecnia Minhota, inclui 48 mil disparos em apenas sete minutos e irá iluminar a cidade, o rio e o Monte de Santa Luzia.

A este espectáculo pirotécnico vão juntar-se ainda um conjunto de iniciativas que decorrerão durante todo o fim-de-semana na cidade de Viana do Castelo, que se encontra engalanada para a festa.

No sábado, e para além da feira medieval e do torneio medieval, Viana do Maranhão (Brasil) apresenta-se na Praça da Liberdade para um espectáculo de música e dança tradicionais daquela cidade geminada com Viana do Castelo. No domingo, entre as 15h00 e as 17h00, decorre o Festival Náutico, organizado pelos clubes de Viana do Castelo (Iate Clube de Viana, Clube Náutico de Viana do Castelo, ARCO, Clube de Vela de Viana do Castelo, Darque Kayak e o Viana Locals e a Associação do Norte de Windsurf). O festival integra o desfile, em zonas delimitadas no rio Lima entre a ponte metálica e a Praça da Liberdade, de cerca de oitenta embarcações de canoagem, remo, vela e windsurf.

Ao fim da tarde (17h00), nas principais ruas da cidade, mais de 1500 figurantes integram o Cortejo Histórico dos 750 Anos de Viana do Castelo. O cortejo com 25 carros alegóricos integra um desfile com os grandes momentos da História de Viana do Castelo, desde a ocupação castreja até aos dias de hoje, passando pela lenda do Rio Lethes, D. Afonso III ou as aventuras brasileiras dos vianenses, com o seguinte trajecto: Alameda João Alves Cerqueira, Avenida dos Combatentes, Rua Cândido dos Reis, Rua Nova de Santana, Rua de Aveiro e Afonso III.

Fica a proposta para um fim de semana diferente e cheio de actividades!

fc

SÃO JOÃO BAPTISTA


Segundo o Evangelho de São Lucas, João Baptista era filho do sacerdote Zacarias e Isabel prima de Maria, mãe de Jesus. Foi profeta e considerado pelos cristãos como o precursor do prometido Messias, Jesus Cristo. Baptizou muitos judeus, incluindo Jesus, no rio Jordão, e introduziu o baptismo de gentios nos rituais de conversão judaicos, que mais tarde foram adoptados pelo cristianismo.
A aura de João Baptista não se confina só ao âmbito da Igreja Católica pois, num sentido universal ele é considerado um homem bom. Sabemos que esteve vários anos num local deserto, fazendo vida de asceta, alimentando-se de água das chuva, frutos silvestres e mel. É uma das figuras mais respeitadas da historia judaico-cristã e, a sua vida, é igualmente admirada pelos muçulmanos, sendo também venerado na Turquia , bem como em várias zonas do Oriente.
Quando se encontrava em pregações na Galileia, ao tempo, o poder estava nas mãos de Herodes Antipas, filho daquele outro Herodes que ficou ligado à matança dos inocentes. Acontece que Herodes repudiara a sua mulher legítima para ficar a viver com a cunhada Herodíades. Esta atitude era motivo de descontentamento por ser sacrílego segundo os costumes da lei e, João Baptista foi um dos que teve mesmo a coragem de o afirmar ao próprio Herodes, acrescentando até que, se não fosse modificada a situação, cairia uma maldição sobre Israel. Ao que parece, Herodíades não terá gostado disto e, por sua influência, João Baptista foi metido numa prisão.

Segundo reza a história, num dia 29 de Agosto, durante um banquete, Salomé, jovem lindíssima, filha de Herodíades e sobrinha de Herodes, terá dançado para os convidados e o agrado foi de tal ordem que, Herodes lhe pediu uma segunda dança. Ela recusou, Herodes insistiu, prometendo que a paga disso seria à escolha dela. Foi quando Salomé pediu ao tio a cabeça degolada de João Baptista, numa bandeja de prata. Este foi, segundo chegou até nós, o fim do profeta João Baptista.

Mas, depois destes dados históricos, quero deixar nos leitores uma impressão menos pesada e falarei agora da forma como o povo venera também, no mês de Junho, este S.João, que aparece representado nos altares apenas vestido com uma pele de carneiro e um cordeirinho aos pés.
Também o encontramos nos tronos que as crianças fazem pelas ruas, pedindo a tal moedinha em seu nome. Do mesmo modo se fazem arraiais, se canta , se dança, se comem sardinhas assadas, ou carnes, se ouvem foguetes, há arcos e balões, se vendem manjericos, enfim, os “condimentos” são comuns aos festejos dos Santos de que o povo português gosta. Todo o país, geralmente festeja de forma idêntica os Santos de Junho, mas no que respeita ao S.João o que logo me lembra é Braga e o Porto.

Falarei do Porto, neste caso, apenas porque conhecer melhor. O 24 de Junho é também o seu Feriado Municipal e, o Santo, que aqui é designado por “S.João do Porto”, foi escolhido igualmente para seu padroeiro. A lenda refere um eremita que terá vivido e morrido em Tuy no Sec IX. Mais tarde, no Sec XII, a Rainha D. Mafalda (mulher de D. Afonso Henriques) terá sido portadora de relíquias suas, que foram depositadas na Igreja da N.S. da Consolação, no Porto. Duas pessoas diferentes ou não, este S.João, apresenta-se com imagem semelhante àquele falado antes, também vestido com a pele de carneiro e tudo. A dúvida poderá ser desfeita por alguém mais informado que eu.

Os festejos começaram essencialmente na zona das Fontaínhas, mas foram-se alargando afinal a todos os locais onde o povo entendeu que a festa poderia existir. Todos os tripeiros vivem intensamente a comemoração do seu Padroeiro. Saem para a rua já na véspera e, a festa, estende-se pela madrugada fora e dia seguinte. Aos grupos que se formam e vão percorrendo as ruas, cantando e dançando chamam-se “rusgas”. Também se vendem os vasos de manjericos e é uso comer-se nas tasquinhas além das sardinhas, bifanas e aínda cabrito. Além de se ver aqui, tudo o que é habitual em festas do género, há ainda dois costumes curiosos:_ Um, refere-se à erva cidreira usada para dar a cheirar, em especial às raparigas, outro, o de levar na mão um “alho porro” com o qual que se vai batendo na cabeça daqueles com quem nos vamos cruzando. Acrescento, no entanto, que o dito “alho porro” já foi cedendo lugar aos martelinhos de plástico, embora, a função de acertar nas cabeças de quem passa, se mantenha à mesma, só que, mais ruidosa!
Por aqui me fico neste breve apontamento referente ao segundo Santo Popular que se festeja em Junho.

M.A.

X Porto Cartoon World Festival 2008


É inaugurada hoje a exposição dos principais trabalhos do X Porto Cartoon World. O Festival Organizado anualmente desde 1998, o PortoCartoon celebra este ano o seu 10º aniversário. Sempre com temas de grande impacto mundial, o festival internacional de cartoon já contabilizou a participação de mais de 4000 artistas dos quatro cantos do mundo, tendo já no seu espólio quase 13500 trabalhos, entre eles alguns dos mais renomados artistas mundiais.


O cartunista português Augusto Cid foi o vencedor desta edição.


O segundo prémio foi atribuído a Muhittin Koroglu, da Turquia e o terceiro foi atribuído a dois artistas ex-aequo: Dalcio Machado, do Brasil e Taeyong Kang, da Coreia do Sul. A elevada qualidade dos trabalhos, levou o júri internacional a atribuir ainda 15 Menções Honrosas a artistas de 10 Países: Azerbeijão, Bélgica, Brasil (2), Colômbia, Coreia do Sul, Espanha, França, Inglaterra, México, Polónia, Portugal, Turquia (3).



"Direitos Humanos" foi o tema escolhido para a décima edição.


19/06/08

Garfield estreou há 30 anos.....

O gato Garfield é estrela duma das bandas desenhadas mais famosas da história, sendo publicado em 2570 jornais de todo o mundo. Os outros personagens principais são Odie estúpido, e , um cãoJon Arbuckle, um cartunista, dono dos dois. Garfield é criação de Jim Davis, que tirou o nome do seu avô James Garfield Davis (este teve seu nome inspirado pelo presidente americano James Garfield).
  • Garfield estreou em 19 de Junho de 1978. Tinha traços disformes, bochechas enormes e olhos pequenos. Já mostrava sarcasmo:

Jon - Oi, eu sou Jon Arbuckle, e este é meu gato, Garfield.
Garfield - Oi, eu sou Garfield, sou um gato, e este é meu cartonista, Jon.

  • Esta banda desenhada ironiza pessoas que transformam os animais de estimação nos "donos da casa". Também mostra um gato actuando como homem (inclusive, andando em 2 patas) e enfrentando problemas humanos (dieta, tédio, aversão às segundas-feiras, etc.).
Peronagens:

Garfield
- Um gato laranja às riscas. Preguiçoso, guloso, amante de televisão e acima de tudo, sarcástico. Adora "correr" com o Odie da mesa, caçar pássaros e carteiros. O seu prato favorito é lasanha. Odeia a segunda-feira, passas, dietas e caçar ratos ("Lábios que tocam num rato jamais tocarão os meus"). Garfield adora matar aranhas e sofre de ataques de sono.
Odie
- O "parceiro" de Garfield. É um cão idiota, definido por Garfield como "uma língua com olhos e patas", por estar sempre a abar-se e com a língua de fora. A sua primeira aparição foi em 8 de Agosto de 1978.
Jon Arbuckle
- O cartonista, dono de Odie e Garfield. É um fracasso com as mulheres, veste-se muito mal e geralmente cai nos truques do gato.
Nermal - O "gato mais lindo do mundo". Aparece frequentemente , para desprezo de Garfield. No desenho, Garfield gosta de tentar mandá-lo para Abu Dhabi.
Pooky
- o urso de peluche de Garfield. Na sua primeira aparição, Garfield procurava algo na gaveta de Jon e achou Pooky.
Arlene
- a namorada de Garfield. Aparece esporadicamente.
Lyman
- amigo de Jon, o dono original de Odie. Em 1983 desapareceu, reaparecendo em 19 de Junho de 1988, data em que se comemorou o décimo aniversário de Garfield.
Liz Wilson - a veterinária de Garfield.
Herman Post
- O Carteiro de Jon. Garfield passa a vida a atormentar o carteiro .
Wilhelm Burtside - Vizinho irritadiço e mal-humorado de Jon Arbuckle, é outra vítima constante das armações do Garfield, especialmente no que diz respeito ao mau uso da churrasqueira "emprestada" de Burtside.
Binky, o palhaço - ridículo animador infantil de televisão, caracterizado pelo seu grito "Ooooooi, crianças!", o qual é normalmente modificado por "Oooooi, gato!" para pregar sustos às pessoas, especialmente ao pobre Garfield.
Balança - A balança da casa de banho possui um processador, por isso, fala. Quando Garfield resolve usá-la, geralmente a balança vai para o lixo por dizer frases como: "Diga-me, já alguma vez pensou em seguir carreira como barcaça fluvial?" "Sou uma balança de casa de banho! Não peso cargas!" "Quantos são vocês aí em cima?" "parabens,esta voz oficialmente interdita a passagem por certas pontes!"
fc

18/06/08

CANETAS


Uma colecção que nos fala de canetas de tinta permanente, como se dizia, porque não precisavam de ser mergulhadas constantemente no tinteiro como pena de pato e a caneta de aparo.

Um escrito inglês de 1723 descreve ao pormenor e com ilustrações a pen without end,”uma caneta sem fim”, embora o seu uso só se tenha vulgarizado no Sec. XX.
José Lopes Luís tem na sua colecção de muitas centenas de canetas, algumas antiquíssimas, onde se inclui uma Watermann, com tinteiro de vidro, de 1890.

É apenas quando falamos com um coleccionador de canetas que nos apercebemos de como se trata de um mundo cheio de especificidades. Uma caneta de ebonite, por exemplo, pode ser diferente de todas as outras feitas com esta resina e com o mesmo desenho. São peças diferenciadas, também, consoante o sistema de enchimento – que pode ser de êmbolo, de bomba de alavanca, de cartucho, entre outros - , conforme o aparo, ou, pelo modo como se fecham – tampa de rosca, por simples pressão, etc.



Lopes Luís elege como marca preferida entre todas a Pelikan, porque foi a primeira caneta que teve e é a que está na origem da colecção. Aquela empresa alemã, fundada em 1832, pelo químico Carl Hornemann, lançou no mercado a sua marca dirigida ao público escolar e aos jovens. Assim, na sua colecção, entre muitos estojos onde guarda a suas peças, ordeira e criteriosamente arrumadas, há um com mais de uma dezena de canetas que, por muito que olhemos para elas parecem todas iguais e da mesma cor. Mas não é pelo “amor” que o coleccionador tem pela marca. É porque são todas diferentes neste ou naquele pormenor.

Uma colecção de canetas é também uma colecção de histórias. “A marca Onoto, um fabricante que celebrou em 2005 um século de existência, é assim chamada porque os proprietários quiseram um nome que fosse fácil de pronunciar em todas as línguas”, recorda J.L. Luís. Noutro passo conta que a célebre “Parker 51”, a caneta “ mais vendida e copiada de sempre”, criada em 1941, começou por ser lançada, a título experimental, no mercado brasileiro.
Poderá pensar-se que uma colecção destas deve resultar, no seu conjunto, num quadro muito monótono. Nada mais errado. É, isso sim, uma colecção que convida aos prazeres da escrita.

Apontamento escrito e fotos do “Club do Coleccionador “
P.S.-Foi-me feito um pedido particular para que juntasse a este comentário uma terceira foto onde se mostram duas canetas que, igualmente, têm histórias para contar. Aguardem, porque penso que as ireis conhecer também.
M.A.

A GAIOLA DO LEÃO - Charlie Chaplin

Charles Spencer Chaplin Jr. (Londres, 16 de abril de 1889 – Corsier-sur-Vevey, 25 de dezembro de 1977) foi um actor, director, roteirista e músico britânico nascido na Inglaterra.

O seu principal e mais conhecido personagem é conhecido como Charlot, na França e no mundo francófono, na Itália, Espanha, Portugal, Grécia, Romênia e Turquia.

Um andarilho pobretão com as maneiras refinadas e a dignidade de um gentleman, usando um fraque preto, calças e sapatos desgastados e mais largos que o seu número, um chapéu de coco ou cartola, uma bengala de bambu e a sua marca pessoal - um pequeno bigode.

Chaplin foi uma das personalidades mais criativas que atravessou a era do cinema mudo; actuou, dirigiu, escreveu, produziu e financiou os seus próprios filmes.

video

Clique acima para ver o filme
fc

16/06/08

AINDA O V DESFILE DE VIATURAS ANTIGAS




Tal como noticiamos, realizou-se ontem Domingo, o V Desfile de Viaturas Antigas entre Algés e Oeiras. Resolvi portanto dar uma volta pelo local, onde se faria a partida. Para aqueles que não tiveram oportunidade de ver aquele conjunto tão bonito de viaturas, aqui ficam fotos de algumas.



















M.A.

5.000 Visitantes

Hoje atingiremos os 5.000 visitantes!
A todos os que nos visitam e ou nos deixam palavras de apreço, obrigada!
F.C.
M.A.

15/06/08

A primeira travessia aérea do Atlântico Sul

foi concluída com sucesso no dia 15 de Junho de 1922 pelos aeronautas portugueses Gago Coutinho e Sacadura Cabral, no contexto das comemorações do Primeiro Centenário da Independência do Brasil.

A épica viagem iniciou-se em Lisboa, às 16:30h de 30 de março de 1922, empregando um hidroavião monomotor Fairey F III-D MkII, especialmente concebido para a viagem, equipado com motor Rolls-Royce e batizado Lusitânia. Sacadura Cabral exercia as funções de piloto e Gago Coutinho as de navegador. Este último havia criado, e empregaria durante a viagem, um horizonte artificial adaptado a um sextante, a fim de medir a altura dos astros, invenção que revolucionou a navegação aérea à época.

A primeira etapa da viagem foi concluída, no mesmo dia, sem incidentes em Las Palmas, nas Ilhas Canárias, embora tenha sido notado, por ambos, um excessivo consumo de combustível.

No dia 5 de abril, partiram rumo à Ilha de São Vicente, no Arquipélago de Cabo Verde, cobrindo 850 milhas. Lá se demoraram até 17 de abril para reparos no hidroavião - que fazia água nos flutuadores -, tendo partido das águas do porto da Praia, na Ilha de Santiago, rumo ao Arquipélago de São Pedro e São Paulo, em águas brasileiras, onde amararam, sem o auxílio do vento, no dia 18. O mar revolto naquele ponto, entretanto, causou danos ao Lusitânia, que perdeu um dos flutuadores. Os aeronautas foram recolhidos por um Cruzador da Marinha Portuguesa, que os conduziu a Fernando de Noronha. Apesar de exaustos pelo vôo de 1.700 quilómetros e pelo pouso acidentado, comemoraram o achamento, com precisão, daqueles rochedos em pleno Atlântico Sul, apenas com o recurso do método de navegação astronómica criado por Gago Coutinho.

Com a opinião pública Portuguesa e Brasileira envolvida no feito, o Governo Português enviou outro hidroavião Fairey, batizado como Pátria, a partir de Fernando de Noronha, pelo navio brasileiro Bagé, que chegou no dia 6 de maio. Tendo o hidroavião sido desembarcado, montado e revisado, a 11 de maio descolaram de Noronha. Entretanto, nova fatalidade acometeu os aeronautas, quando, tendo retornado e sobrevoando o arquipélago de São Pedro e São Paulo para reiniciar o trecho interrompido, uma pane no motor obrigou-os a amarar de emergência, tendo permanecido nove horas como náufragos, até serem resgatados por um cargueiro Inglês - o Paris City, em trânsito na região.

Reconduzidos a Fernando de Noronha, aguardaram até 5 de junho, quando lhes foi enviado um novo Fairey F III-D (o n° 17), batizado pela esposa do então Presidente do Brasil, Epitácio Pessoa, como Santa Cruz. Transportado de Portugal pelo navio Carvalho Araújo foi posto na água do Arquipélago de São Pedro e São Paulo, tendo levantado voo rumo a Recife, fazendo escalas em Salvador, Porto Seguro, Vitória e dali para o Rio de Janeiro, então Capital Federal, onde, a 17 de junho de 1922 pousou em frente à Ilha das Enxadas, nas águas da baía de Guanabara.

Aclamados entusiasticamente como heróis em todas as cidades brasileiras onde amerisaram, os aeronautas haviam concluído com êxito não apenas a primeira travessia do Atlântico Sul, mas pela primeira vez na História da Aviação, tinha-se viajado sobre o Oceano Atlântico apenas com o auxílio da navegação astronómica a partir do aeroplano.

Embora a viagem tenha consumido setenta e nove dias dias, o tempo de voo foi de apenas sessenta e duas horas e vinte e seis minutos, tendo percorrido um total de 8.383 quilometros. A viagem serviu de inspiração para os raides posteriores de João Ribeiro de Barros e de Charles Lindbergh.

fc

ACTUAÇÃO BANDA SIMECQ - HOJE




Mais uma oportunidade para ver e ouvir a nossa BANDA!
Dia 15/06 Domingo às 21 Horas
no Jardim de Oeiras

(Integrado nas Festas de Oeiras)


A propósito já lá foi este ano?

14/06/08

Brincar com o Arco e a Gancheta


Nos tempos em que as crianças brincavam na rua, os entretens estavam longe de ser eletrónicos!

Este fazia-nos correr e saltar tempo sem fim! Os condutores até imitavam o barulho dos motores e apitavam e tudo....

Claro que estas brincadeiras para além de nos incutir o espírito de equipa, também nos permitia um contacto com os vizinhos, e colegas de escola. Alguns arranhões e quedas faziam parte dum crescimento saudável.

O que eu brinquei com arco e gancheta.....


Imaginem que ontem vi à venda um destes brinquedos...!!!!!!!


Aqui vai no entanto a instrução para a construção:


Material:

Um arco de metal que pode ser um arame dobrado em forma de circunferência. (Eu usava isto ou um aro de bicicleta).

Uma vara dobrada na ponta, para empurrar o arco

Objectos vários para delimitar o percurso

Objectivo:

Percorrer um determinado percurso no mínimo de tempo possível.

Regras do jogo:

O jogador inicia o percurso, devendo conclui-lo o mais rapidamente possível, sem que o arco caia. Se o arco cair, deverá voltar ao início do percurso.

fc

Desfile de Carros Antigos em Oeiras


As ruas do centro histórico de Oeiras, de Paço de Arcos e da Baixa de Algés vão receber automóveis que também têm história. São mais de 150 as viaturas antigas que vão marcar presença no V Passeio/Exposição de Automóveis Antigos

O desfile vai ser composto por automóveis e motos antigos que vão seguir um percurso previamente delineado. Os 150 veículos partem, por volta das 9 horas, de Algés, junto ao Palácio Ribamar e seguem em direcção a Paço de Arcos.

A passagem do desfile por Paço de Arcos está marcada para as 11 horas. A chegada ao centro histórico de Oeiras, por volta das 12 horas, marca o ponto final do percurso mas também assinala o início da exposição das viaturas no Largo 5 de Outubro.

A Câmara Municipal de Oeiras organizou esta iniciativa com o propósito de «criar atractividade e notoriedade para os Centros Históricos de Oeiras, Paço de Arcos e Baixa de Algés».

fc

13/06/08

RENDAS DE BILROS


A origem das rendas não é consensual. Uma das mais aceites , apoiada por vários estudiosos, diz que terão tido a sua origem no oriente. Possivelmente vindas da China ou Índia, tendo chegado a Portugal pela Itália
Na Europa, tiveram época áurea as rendas de Milão e de Bruges, chegando os padres a encomendá-las para os seus trajes e as noivas para os seus vestidos. Em Portugal as rendas flamengas estiveram muito em voga no tempo de D.João V.
Daqui, esta forma de artesanato passou à Madeira e aos Açores, e foi pelas mulheres portuguesas que chegou ao Brasil, onde é praticada principalmente no Nordeste.

Para explicarmos a diferença entre um bordado e uma renda diremos, que enquanto um bordado é um trabalho de agulha feito sobre um tecido, a renda é unicamente um fio de algodão trabalhado, entrelaçado sob mil e uma formas, para criar os efeitos que a fantasia de quem a executa, imaginou. Para além do fio, que é fundamental, os acessórios usados para o trabalhar variam consoante o tipo de renda em questão.
No caso das rendas de bilros teremos que ter uma almofada rígida, em forma de rolo, a qual se coloca sobre uma armação de madeira. O desenho é feito num cartão que tem o nome de “pique”. Este, serve de base à rendilheira para nele ir espetando alfinetes conforme o risco determine, enquanto os bilros “bailam” entre os dedos, na execução do trabalho.

Chamam-se bilros a umas pequenas peças de madeira torneada, onde se enrolada a linha, geralmente rematadas na ponta com uma bola. Já vi porém bilros, feitos de osso e também de marfim!
Ouvi, um dia, mencionar que há uma certa conotação das rendas, em geral, com a proximidade do mar talvez pela sua semelhança com as redes de pesca. Verdade ou não, em Portugal a incidência de manufactura de rendas de bilros, situa-se quer em Vila do Conde quer em Peniche. Nestes dois lugares, desde tempos remotos, que das mãos das suas mulheres , têm saído verdadeiras obras de encanto.
Hoje em dia podemos dizer que já poucas pessoas fazem estes trabalhos, tanto por serem morosos como por exigirem muita paciência. Há anos atrás, surpreendeu-me encontrar em Lx. , num vão de escada da Rua Nova do Almada uma mulher fazendo renda de bilros. Na conversa que tive com ela soube que enviuvara, viera justamente do Norte para casa de uns parentes e estava ali fazendo o que sabia para angariar algum dinheirinho mais para o sustento familiar.
Por curiosidade vou recordar-vos aqui a letra de um velho fado-canção de Coimbra com uma alusão muito directa a estas rendilheiras . Ouvia-a ainda muito nova, em antigos discos de vinil, tocados numa grafonola ainda das de manivela. Julgo que seria cantada talvez pelos Drs. António Menano ou Edmundo Bettencourt, isso é que já não recordo.

Rendilheiras que teceis
As finas rendas à mão.
Eu dou-vos,se vós quereis,
P’ra almofada o coração.

Oh, vem à janela,
Vê que a noite bela,
Vem ver o luar!
Linda rendilheira,
Deixa a travesseira,
Vem-me ouvir cantar!

Quem me dera rendilheira,
Ser essa tua almofada.
E passar a vida inteira
Em teu regaço deitada.
......................................
M.A.

10/06/08

SANTO ANTÓNIO DE LISBOA


Cumprindo uma promessa feita há dias (por favor clique aqui) venho de novo conversar convosco sobre este Santo tão querido de nós portugueses e, de mim em particular.
Sabemos que ele nasceu em Lisboa em 15 de Agosto de 1195 e veio a morrer, apenas com 36 anos, em Pádua em 13 de Junho de 1231. O seu nome de baptismo foi Fernando Martin de Bulhões e Taveira Azevedo.
Aos 15 anos entrou para um Convento de Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, porém, dez anos mais tarde, em Coimbra, impressionado por pregações ouvidas a uns frades franciscanos, resolveu ingressar na Ordem dos Franciscanos onde irá manter-se até à morte. É nesta altura que adopta também o nome de António.
Tornou-se um pregador culto e apaixonado e leccionou teologia em várias universidades europeias. Passou também pelo Brasil. O seu amor aos pobres foi igualmente uma das suas características marcantes. Toda a sua vida foi tão cheia de actuação e exemplos marcantes que fez o Papa Pio XII, em 1946 elevá-lo a Doutor da Igreja. A sua canonização foi a mais célere que se conhece na história da Igreja, ocorreu apenas 11 meses e 17 dias após a sua morte.








Pádua, a cidade italiana onde viveu os últimos anos, adoptou-o como seu padroeiro, chamando-o simplesmente Il Santo. Erigiu com o seu nome, uma Basílica, onde num imponente túmulo se guardam os seus restos mortais. Posso dizer-vos que são inúmeros os testemunhos de fé que nele vi, colocados por devotos, dando conta de graças recebidas. Também neste local se mostram o seu hábito e a sua língua, esta, dentro de um relicário de vidro.

Mas Lisboa reivindica também a forte ligação a este tão popular santo! Como já disse muita gente estará mesmo convencida de que é ele o padroeiro da cidade, pelo facto do 13 de Junho ser Feriado Municipal. Esclareça-se, em abono da verdade que não, o padroeiro de Lisboa é efectivamente S.Vicente.

E será que sabem que Santo António tem também uma carreira militar, ainda que simbólica? Eu explico:
Por iniciativa de D. Afonso VI, em 1665, S. António, ( já muito depois da sua morte ) “assentou praça” no 2º Regimento de Infantaria de Lagos. Tinha, como qualquer outro soldado, direito a um soldo que, neste caso, era usado para ajudar os soldados doentes. Depois, outros regimentos seguiram o mesmo exemplo. Uma sua imagem foi ,por exemplo, desde meados do Sec XVII, a protectora do Reg. de Inf. 19, em Cascais e acompanhou sempre o Regimento nas campanhas da Guerra Peninsular, razão pela qual, ostenta ao peito a medalha referente à dita Guerra. É a imagem que abre este post e que está hoje no Museu Militar do Buçaco.
O Marquês de Pombal, em dada altura, entendeu “cortar-lhe o vencimento”, determinando que continuaria no Exército, sim, mas… gratuitamente! Já nessa altura surgiam medidas restritivas, come se vê! Porém, logo depois, no seu reinado, D. Maria I, veio repor a situação anterior. Até o General Junot, em 1807, num dos seus despachos que se encontram registados, se confessou devoto de Santo António e lhe manteve todos os seus direitos, nesta altura já promovido ao posto de Tenente-Coronel.

Mas, a sua fama popular é, como já referi no post anterior, sobretudo como santo casamenteiro e advogado no aparecimento de objectos perdidos.
Deixo-vos duas fotos de Pádua e outras de alguns Santo Antónios que tenho em casa. Vejam que engraçados são, por exemplo, os do conjunto artesanal, em barro. São de dois ceramistas ali da zona de Coimbra.
....................................................
1- Imagem que se encontra no Museu do Buçaco
2 e 3-Basílica em Pádua e Túmulo do Santo
4- Imagens em madeira Sec. XIX
5-Barro (original da autora do post)
6-Barros de Miguel Lemos e Pias
M.A.
Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização