Como tudo começou

29/12/13

ANO NOVO - 2014



Passado que foi o Natal de 2013, daqui a pouco estaremos a entrar num novo ano. Desta vez será o 2014. 
Ano Novo vida nova! É o que sempre se ouve dizer.
É altura de esquecer o que de menos agradável se passou no ano que terminou e, entre os amigos e conhecidos se trocam-se votos para que o que se vai encetar traga a todos, inclusive a nos mesmos, a realização dos sonhos e esperanças que existam nas nossas mentes.
Há sempre uma qualquer meta a atingir e, em cada um dos 365 dias que estão pela frente multiplicam-se os esforços  tentando lá chegar. Umas vezes consegue-se… outras vezes não…E o tempo vai  passando e, naturalmente,  umas tantas alegrias e tristezas se vão alternando até ao Dezembro seguinte.
Reflectindo sobre este tema lembrei-me de ter lido  um apontamento, muito curioso, que fui procurar para  transcrever aqui. É da autoria de  Carlos Drummond de Andrade bem como  o poema que se lhe  segue.
Quem queira conhecer ou, simplesmente relembrar os dados biográficos deste  escritor  faça o favor de clicar aqui.




“Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente.

Para você, desejo o sonho realizado. O amor esperado. A esperança renovada.
Para você, desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir, todas as músicas que puder emocionar.

Para você neste novo ano, desejo que os amigos sejam mais cúmplices, que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida.


Gostaria de lhe desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente para repassar o que realmente desejo a você. Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, rumo à sua felicidade!”  

RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
côr do arco-íris, ou da côr da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de Janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.



Neste nosso último post do ano de 2013 fomos buscar inspiração à escrita deste ilustre homem de letras brasileiro. Pensamos que quem nos acompanhou só ficou  a ganhar  com esta escolha porque, certamente, terá apreciado tanto a  sua prosa quanto a sua rima.
Pelo menos foi essa a nossa intenção.
Resta-nos associarmo-nos a ele, desejando, para todos os nossos leitores, tudo quanto de melhor o Ano de 2014 possa trazer, em especial, muita Saúde, Paz e Amor. Em suma, vivam felizes!


F.C./ M.A.

21/12/13

NATAL DE 2013


Caros leitores:
Uma inesperada e aborrecida avaria no meu pc obrigou  a uma pausa mais prolongada neste convívio do blog.
Depois da inevitável visita ao “sr. dr. da informática” que,  graças à amizade que existe entre nós, logo pegou no doente e encetou o tratamento, cá tenho de novo em casa este precioso meio de comunicar convosco.
Claro que me pesava na consciência não assinalar esta festiva quadra do Natal de forma semelhante à dos outros anos mas, felizmente, tudo se conjugou no sentido de vos poder trazer, hoje, à laia de compensação, não um… não dois…mas sim estes três bonitos poemas de Natal, de autores portugueses.

A PALAVRA MAIS BELA

Fui ver ao dicionário de sinónimos
A palavra mais bela sem igual
Perfeita como a neve dos Jerónimos...
E o dicionário disse-me NATAL.

Perguntei aos poetas que  releio:
Gabriela, Régio, Göethe, Poe,
Quental, Lorca, Olegário... e a resposta veio:
Christmas... Nöel... Natividad... NATAL...

Interroguei o firmamento todo!
Cobra, formiga, pássaro, chacal!
O aço em chispa, o "pipe-line", o lodo!
E a voz das coisas respondeu NATAL.

Pedi ao vento e trouxe-me, dispersos
-Riscos de luz, fragmentos de papel-
Cânticos, sinos, lágrimas e versos:
Um N, um A, um T, um A, um L...

Perguntei a mim próprio e fiquei mudo...
Qual a mais bela das palavras, qual?
Para quê perguntar se tudo, tudo,
Diz  NATAL,  diz NATAL, e diz NATAL?!

Adolfo Simões Müller 


O sonho do MeninoJesus

O menino nasceu de um sonho
tecido como um novelo
feito com os fios de luz
de uma estrela no cabelo.
O menino olhou em volta 
para ver mais adiante
e aquilo que encontrou
foi raro e deslumbrante.
Chamou a vaca e o burro 
para estarem junto de si
e eles obedeceram
não saindo mais dali.
Era um rei pequenino
de um reino apenas sonhado
e traçou o seu destino
num presépio acanhado
Mas ele, que nasceu livre,
em liberdade quis crescer,
seguido por gente boa
que com ele ia aprender.
E o seu maior milagre,
o que tem maior valor,
foi ter mostrado ao Homem
a força que há no amor.

José Jorge Letria,
O Livro do Natal

 O Menino Dorme

O Menino nasceu
Deixai-o estar sossegado
Na sua caminha de oiro
Com a mãe e o pai ao lado!

Vai-te embora rouxinol
P`ra longe desse loureiro,
Deixa dormir o Menino
Que está no sono primeiro!

Tu  também, ó cotovia
Já são horas de parar!
Se não paras, o Menino
Não tarda, vai acordar!

E tu, ó melro atrevido,
Que te escondes no silvado.
Vem só cantar ao Menino
Quando estiver acordado!

O Menino dorme, dorme,
Naquele sono profundo...
Quando mais logo acordar
Vai sabê-lo todo o mundo!

Alexandre Parafita,
Histórias de Natal Contadas em Verso

A imagem de abertura é a foto de um painel de azulejos (do retábulo Nossa Senhora da Vida – painel central Natividade) existente  no Museu Nacional do Azulejo,  atribuído a Marçal de Matos e executado c. 1580.
Com votos de uma boa Consoada e Feliz Natal para todos quantos nos leiam, aqui fica o nosso agradecimento pela atenção dispensada ao longos doa anos já decorridos.

F.C / M.A.

10/12/13

EM MEMÓRIA DE NELSON MANDELA





Invictus

Out of the night that covers me,
Black as the Pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds, and shall find, me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll.
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul. 

William Ernest Henley
(1849-1903)

(Versão em português)

Nesta noite que me cobre
Negra como um poço de borda a borda
Eu agradeço a quaisquer deuses que haja
Por minha alma inconquistável

Na cruel garra da circunstância
Eu não recuei nem gritei
Sob os golpes da sorte
Minha cabeça está ensanguentada mas não curvada

Além deste lugar de fúria e lágrimas
Surge apenas o horror da sombra
E ainda com a ameaça dos anos
Encontra, e há de encontrar-me, sem temor

Não importa quão estreito o portão
Quão carregado de punições o pergaminho
Eu sou o mestre do meu destino
Eu sou o capitão da minha alma.


 Neste blog e, no momento presente, faz todo o sentido partilhar este poema que, tal como foi divulgado terá sido, para Mandela, o seu amparo e inspiração durante os 27 anos que passou na prisão.
Que a sua mensagem de paz e concórdia, nos sirva, igualmente, de suporte no dia a dia de todos nós.
Mandiba, nome que lhe vinha da etnia a que pertencia e que o povo, carinhosamente, utilizava fez já a sua viagem final até à eternidade...
Mas este homem tornou-se imortal pela forma como conquistou a liberdade para o seu povo,  pondo fim ao apartheid que vigorava, sempre condenando a violência e enaltecendo a paz e a harmonia entre as raças. 
Oxalá certos políticos reparassem  na conduta de Mandela  e, em prol da concórdia mundial, que tanto se deseja alcançar,  procurassem seguir o seu exemplo.
Foi impressionante sentir a enorme repercussão mundial que a sua morte provocou e, hoje mesmo, dia 10 de Dezembro, ver nas reportagens televisivas o elevado número de entidades de todos os cantos do planeta, que acorreram  à Africa do Sul, para lhe prestarem homenagem nas primeiras cerimónias fúnebres oficiais.

Em boa verdade, Mandiba já faz parte do Património Universal! Que descanse em Paz.

M.A.

06/12/13

BAZAR DE NATAL NA SIMECQ


Tal qual como nos anos anteriores a SIMECQ inaugurou o seu Bazar de Natal.
Esta é uma iniciativa que já nem precisa de ser explicada.
O Atelier de Artes tem um grupo de colaboradoras, qual delas a mais imaginativa e empreendedora, que em cada ano executam e colocam à disposição dos interessados uma variada e bonita  colecção de objectos destinados a ofertas de Natal.
 Dos  bordados às  pinturas, dos estanhos  às  faianças, das compotas ao artesanato diverso, há de tudo um pouco.
Igualmente, existe a preocupação de que o leque de preços seja razoável, portanto, daqui não sai ninguém sem encontrar aquilo que pretende e a um preço bem convidativo.
Leitores amigos, façam-nos, pois, uma visita certos de que darão o tempo por bem empregue. Cá os esperamos!

FC-MA 

30/11/13

POEMA DE NATAL DE ARY DOS SANTOS



QUANDO UM HOMEM QUISER
 
Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e comboios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser

Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher



Nota da autora do post-Se pretender conhecer quem foi este autor,por favor clique aqui
M.A.

27/11/13

DISCUSSÃO CONJUGAL SEM PALAVRAS


Diálogo Clássico entre marido e mulher, numa discussão sobre o seu relacionamento em actuação "pantomineira" dos anos 50.

Brilhante e magistral adaptação da 5ª Sinfonia de Beethoven realizada por esse polifacetado (literal e figurativamente) escritor, cómico e actor que era Sid Caesar contracenando com Nanette Fabray. (para Woody Allen no início da sua carreira era um dos escritores dos seus guiões).

Uma mostra de como se pode fazer humor inteligente sem ter que ser aparatoso nem falar mal …Coisa que nos tempos que correm é já muito raro acontecer. A nossa televisão é, por vezes, um triste exemplo disto que digo.


Queiram pois clicar aqui e divertirem-se com esta discussão conjugal…sem palavras.

Não se esqueçam de ligar o som e, até breve, leitores.
M.A.

16/11/13

E VIVAM AS MULHERES COMPETENTES



E VIVAM AS MULHERES COMPETENTES.
 
"O que torna um sonho irrealizável
é a inércia de quem sonha!!!"


Meu nome é MULHER!
Eu era a Eva
Criada para a felicidade de Adão
Mais tarde fui Maria
Dando à luz aquele
Que traria a salvação
Mas isso não bastaria
Para eu encontrar perdão.
Passei a ser Amélia
A mulher de verdade
Para a sociedade
Não tinha a menor vaidade
Mas sonhava com a igualdade.
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais!
Quero minha dignidade
Tenho meus ideais!
Hoje não sou só esposa ou filha
Sou pai, mãe, arrimo de família
Sou camionista, taxista,
Piloto de avião, polícia feminina,
Operária em construção...
Ao
mundo peço licença
Para actuar onde quiser
Meu sobrenome é COMPETÊNCIA
E meu nome é MULHER..!!!!

Nota da autora do post- De uma grande amiga que tenho recebi este poema. O seu autor é desconhecido mas, seja ele de  homem ou de mulher, achei que trazê-lo a este blog teria cabimento. Nunca será demasiado enaltecer o papel da mulher, especialmente nestes tempos de crise, em que as dificuldades da vida cada vez mais se acentuam e a ela cabe, também, tantas vezes,  ser o único  garante  da família.
Para todas as mulheres competentes deste País aqui fica esta pequena homenagem pelo esforço que desenvolvem, tanto no seio da família como na sociedade.

(A imagem de abertura é um desenho da Álvaro Cunhal)
M.A.


07/11/13

BONECO MECÂNICO COM 243 ANOS



Mostro  hoje, aos nossos leitores mais uma curiosidade. Um boneco mecânico que tem a proveta idade de 243 anos, imaginem só…

Foi construído por um relojoeiro suíço de nome Pierre Jaquet-Droz, também conhecido por Bite des Galaxies, que viveu a sua vida entre Paris, Londres e Genebra.
Ele tinha a capacidade de desenhar e construir  bonecos e pássaros movidos por mecanismos e engrenagens  bastante elaborados e usava-os, não só para presentear réis e rainhas mas,   também,  como publicidade para a venda dos seus relógios. É de crer que fosse na verdade um grande artista pois, vários dos seus autómatos ainda hoje funcionam perfeitamente.

Consideram mesmo que ele tenha sido o primeiro programador da história na construção de “robots” .

Este boneco que trago, “The Writer” ( O Escritor) data de 1770 e a sua habilidade consiste em reproduzir, com letra muito bem cuidada, as palavras antes ordenadas no interior das  suas costas num mecanismo ali existente. Para o leitor ter também oportunidade de usufruir do vídeo que mostra bem aquilo de que falamos  precisará, apenas, de clicar aqui e deliciar-se com esta engenhosa velharia.
Se acaso desejarem saber mais sobre o seu inventor poderão clicar, também, aqui.
Espero que apreciem de mais esta curiosidade.
M.A..


29/10/13

O MAESTRO SURPREENDEU MARIA JOÃO PIRES E ELA SURPREENDEU TODA A GENTE



Esta notícia passou há poucos dias na nossa televisão embora tivesse tido lugar já em 2010, sem que fosse divulgada, na altura.  Se a trazemos junto dos nossos leitores é, sobretudo para salientar, uma vez mais, o prestígio e grande valor profissional que tem, em todo o mundo, a pianista portuguesa Maria João Pires. ,
Servirá também para que alguém, mais distraído, possa tomar conhecimento do que aconteceu e possa avaliar  como em determinado “momento de aperto” Maria João Pires soube reagir de modo tão surpreendente que o próprio maestro não lhe poupou elogios..

Na Holanda, a Orquestra Amsterdam Concertgebouw, dirigida pelo Maestro Ricardo Chailly, com a solista Maria João Pires  ao piano,  iriam tocar um concerto de Mozart. Sala cheia, tudo a postos, o maestro eleva a batuta e a orquestra inicia os  primeiros acordes  do  Concerto nº 20 em  D menor  K66 de Mozart. Mas... algo de  imprevisto estava a acontecer. 
Queiram os  leitores  clicar aqui  e repararem, então, no vídeo que mostra a expressão aflitiva de Maria João Pires, que se apercebe que a peça que ela ensaiara…não era aquela que se ouvia e, claro,  nem a partitura que ela tinha consigo correspondia. Ela leva uma mão à cabeça, há uma troca breve de palavras entre maestro e pianista e ele diz-lhe que sabe que ela será capaz de executar a composição  mesmo sem a dita partitura.
Entretanto, acabada  a  breve introdução da orquestra, Maria João pousa as mãos no teclado do  piano e, dos seus dedos, soltam-se os sons do primeiro andamento do nº. 20... Depois, segundo reza a notícia, graças à sua memória musical, nem uma só nota  ela falhou  até ao  final do concerto.  Deste modo, a pianista portuguesa demonstrou o enorme  talento que tem e  marcou mais uns pontos no seu já longo curriculum.
Parabéns Maria João Pires.

M.A.

19/10/13

133º ANIVERSÁRIO DA SIMECQ



A SIMECQ encontra-se de novo em festa, dando a conhecer, a todos quantos a queiram visitar, o resultado das actividades que aqui vão funcionando.

Passados que são já 133 anos sobre a fundação desta Colectividade, é grato verificarmos que, mesmo  já centenária, esta Ilustre Senhora mantém, uma vitalidade e juventude que lhe é transmitida por todos aqueles quantos, diariamente, nela trabalham, no sentido de dar continuidade e jamais  deixar que se perca o espírito com que, um dia,  foi criada.

Bem haja a todos aqueles que, com o seu esforço, vêm fazendo desta casa um local privilegiado, de encontro e convívio agradáveis, onde, tanto  os jovens, como  os menos jovens, se sintam igualmente bem.

O “Simecq Cultura”  tem todo o gosto em publicar o programa de festas elaborado para o próximo dia 2 de Novembro e espera que os nossos leitores encontrem nele vários motivos de interesse para comparecerem.

Parabéns,  SIMECQ e desejos de  muito longa vida. 

FC/MA

16/10/13

CAFÉS SUSPENSOS




Entramos num pequeno café, na Bélgica, com um amigo e fizemos o nosso pedido. Enquanto estamos a aproximar-nos da nossa mesa, duas pessoas chegam e vão para o balcão:
"Cinco cafés, por favor. Dois  para nós e três suspensos"
Eles pagaram a conta, pegaram num café cada um e saíram.
Perguntei ao meu amigo:
- "O que são esses cafés suspensos?"
O meu amigo respondeu-me:
- "Espera e vais ver."
Algumas pessoas mais entraram. Duas meninas pediram um café cada, pagaram e foram embora. A ordem seguinte foi para sete cafés e foi feita por três advogados - três para eles e quatro "suspensos". Enquanto eu ainda me perguntava qual era o significado dos "suspensos" eles sairam. De repente, um homem vestido com roupas gastas, parecendo um mendigo chega à porta e pede cordialmente:
- "Você tem um café suspenso?"
Resumindo:_ As pessoas pagam com antecedência um café que servirá para quem não pode pagar uma bebida quente. Esta tradição começou em Nápoles, mas espalhou-se por todo o mundo e, em alguns lugares, é possível encomendar não só cafés "suspensos" mas também um sanduíche ou refeição inteira.


Nota da autora do post:_  Partilhem, no sentido de divulgar e promover, entre os vossos conhecidos,  aqui em Portugal, esta feliz ideia. Seria uma iniciativa, deveras interessante, a pôr em prática. M.A.

12/10/13

MONÓLOGO DAS MÃOS - Declamado por BIBI FERREIRA




Para que servem as mãos?

As mãos servem para pedir, prometer, chamar, conceder, ameaçar, suplicar, exigir, acariciar, recusar, interrogar, admirar, confessar, calcular, comandar, injuriar, incitar, teimar, encorajar, acusar, condenar, absolver, perdoar, desprezar, desafiar, aplaudir, reger, benzer, humilhar, reconciliar, exaltar, construir, trabalhar, escrever......
As mãos de Maria Antonieta, ao receber o beijo de Mirabeau, salvou o trono da França e apagou a auréola do famoso revolucionário;
Múcio Cévola queimou a mão que, por engano não matou Porcena;
foi com as mãos que Jesus amparou Madalena;
com as mãos David agitou a funda que matou Golias;
as mãos dos Césares romanos decidiam a sorte dos gladiadores vencidos na arena;
Pilatos lavou as mãos para limpar a consciência;
os anti-semitas marcavam a porta dos judeus com as mãos vermelhas como signo de morte!
Foi com as mãos que Judas pôs ao pescoço o laço que os outros Judas não encontram.
A mão serve para o herói empunhar a espada e o carrasco, a corda;
o operário construir e o burguês destruir;
o bom amparar e o justo punir;
o amante acariciar e o ladrão roubar;
o honesto trabalhar e o viciado jogar.
Com as mãos atira-se um beijo ou uma pedra, uma flor ou uma granada, uma esmola ou uma bomba!
Com as mãos o agricultor semeia e o anarquista incendeia!
As mãos fazem os salva-vidas e os canhões;
os remédios e os venenos;
os bálsamos e os instrumentos de tortura, a arma que fere e o bisturi que salva.
Com as mãos tapamos os olhos para não ver, e com elas protegemos a vista para ver melhor.
Os olhos dos cegos são as mãos.
As mãos na agulheta do submarino levam o homem para o fundo como os peixes;
no volante da aeronave atiram-nos para as alturas como os pássaros.
O autor do "Homo Rebus" lembra que a mão foi o primeiro prato para o alimento e o primeiro copo para a bebida;
a primeira almofada para repousar a cabeça, a primeira arma e a primeira linguagem.
Esfregando dois ramos, conseguiram-se as chamas.
A mão aberta, acariciando, mostra a bondade;
fechada e levantada mostra a força e o poder;
empunha a espada a pena e a cruz!
Modela os mármores e os bronzes;
dá cor às telas e concretiza os sonhos do pensamento e da fantasia nas formas eternas da beleza.
Humilde e poderosa no trabalho, cria a riqueza;
doce e piedosa nos afectos medica as chagas, conforta os aflitos e protege os fracos.
O aperto de duas mãos pode ser a mais sincera confissão de amor, o melhor pacto de amizade ou um juramento de felicidade.
O noivo para casar-se pede a mão de sua amada;
Jesus abençoava com as mãos;
as mães protegem os filhos cobrindo-lhes com as mãos as cabeças inocentes.
Nas despedidas, a gente parte, mas a mão fica, ainda por muito tempo agitando o lenço no ar.
Com as mãos limpamos as nossas lágrimas e as lágrimas alheias.
E nos dois extremos da vida, quando abrimos os olhos para o mundo e quando os fechamos para sempre ainda as mãos prevalecem.
Quando nascemos, para nos levar a carícia do primeiro beijo, são as mãos maternas que nos seguram o corpo pequenino.
E no fim da vida, quando os olhos fecham e o coração pára, o corpo gela e os sentidos desaparecem, são as mãos, ainda brancas de cera que continuam na morte as funções da vida.
         
           E as mãos dos amigos nos conduzem...
           E as mãos dos coveiros nos enterram!



_Este belíssimo poema que hoje vos trazemos, é da autoria do jornalista e poeta brasileiro  Giuseppe Artidoro Ghiaroni. Saiba quem foi, clicando .aqui
É uma explanação  bastante detalhada sobre a pergunta que aparece no início:_Para que servem as mãos?
Quem sabe?  Talvez nós, também, nunca  tivéssemos  parado um poucochinho para, olhando as nossas mãos… bonitas… feias… nos interrogarmos  sobre a importância que elas tiveram no decorrer da vida  que vivemos…
Curiosamente, encontrei um vídeo com este mesmo poema declamado pela actriz brasileira Bibi Ferreira, num programa do Jo Soares e achei que poderia ser a “cereja em cima do bolo” para este post de hoje. O leitor ou leitora só terá que clicar aqui para o poder ver e ouvir.
Para quem não saiba, ou não se lembre,(para saber clique aqui) esta artista, hoje já com 91 anos de idade é ainda figura de relevo na cena brasileira, continuando a representar e a cantar. Em Setembro último, foi até notícia pelo facto de sofrer uma queda no palco e ter-se recusado a interromper o espectáculo.
Seu pai foi o actor  Procópio Ferreira, também um nome grande nos palcos do Brasil.
Na biografia de Bibi Ferreira há a curiosa referência  de ter pisado o palco, pela primeira vez, apenas com 24 dias de existência, imaginem! Parece que na peça que estava em cena aparecia uma boneca que, por qualquer motivo, terá desaparecido e, então, alguém se lembrou de usar a bebé em sua substituição.

Espero que  tenham gostado do que hoje vos trouxe, leitores.


M.A.

07/10/13

A LUA SOBRE O MONTE VICTÓRIA - MARK GEE






Caros Leitores:

 Quem me enviou este vídeo dizia, com certa razão, que teve que haver conjugação de três elementos   para se obter uma maravilha destas:_Estar no sítio certo, à hora certa e ainda,  ter o equipamento certo  para fazer tal registo. Eu atrevo-me a acrescentar mais uma condição, o ser alguém com uma  sensibilidade e técnica suficientemente apuradas para imaginar este efeito final e trabalhar no sentido de o conseguir com esta perfeição.
Para saberem do que falo queiram clicar aqui e também ligar o som.
É na verdade surpreendente o que podemos observar nestes três minutos e pouco.
Sobre a imagem da Lua pairando sobre o miradouro do Monte Victória, em Wellington, na Nova Zelândia, vêem-se contrastadas algumas silhuetas humanas
O seu autor, o australiano Mark Gee afirma que neste vídeo não foi feita qualquer manipulação e que para o conseguir apenas foi necessário colocar-se a cerca de 2,1 Kilómetros de  distância , num local do outro lado da cidade. Em 2013, este fotógrafo entrou num concurso, promovido pelo Observatório Real de Grenwich, para, entre  amadores e profissionais, ser escolhida a melhor fotografia astronómica a nível mundial, e nele obteve  o primeiro lugar. Se clicar aqui poderá, também, ver  uma espantosa série de fotos, de vários outros concorrentes desse mesmo concurso. A foto que aparece na abertura deste post é, precisamente a que deu o 1º prémio (cerca de 1 800 €) a Mark Gee. Na outra imagem aparece o seu autor.
A musica  que se ouve é "Tenderness" -  Dan Phillipson
Espero que tenham gostado.

M.A.

01/10/13

FLOR DA GEADA



Tem tanto do bonito como de rara. Criada no Outono, ou no início de uma manhã de Inverno, quando o gelo, em camadas extremamente finas é empurrado para fora do caule das plantas ou, ocasionalmente, da madeira.
Esta extrusão cria padrões maravilhosos que enrola e dobra em pecíolos congelados dando razão ao nome que lhe deram.
As condições climatéricas têm que ser certas para que este fenómeno aconteça. Quando a temperatura chega a zero, ou um pouco abaixo, no caule das plantas a seiva vai expandir-se. Assim a camada exterior da haste fica sob uma pressão crescente e criam-se as chamadas fissuras lineares, microscópicamente finas, pelas quais a seiva sai e em seguida congela.
A água expulsa vai rodeando o caule da planta, enquanto o solo continua a ser descongelado. Ela viaja até às plantas, para o eixo estrutural externo (tronco) e atinge a divisão ou então racha. Ela escorre lentamente para fora e congela. Mais água vem, em seguida, atinge as fissuras e também congela, empurrando o deslizar anterior de gelo para longe da haste, formando assim as “pétalas” bonitas que as imagens mostram.
Este “efeito flor de geada” pode, também, acontecer na madeira quando, por exemplo, com ela se fez um portão ou um muro. Neste caso a água é submetida à extrusão através dos poros da madeira.
A flor de gelo é também conhecida por “castelos geada”, “castelos de gelo mas, o seu  nome científico é “crystallo-folia”.













Flores de geada” são extremamente delicadas e quebram mal se lhes toca. Se encontrar alguma procure antes,  rapidamente,  filmá-la ou fotografá-la pois, como são formadas por finas folhas de gelo, o sol logo as irá derreter. E quem sabe, esta  pode ter sido a única vez que lhe foi dado encontrar esta obra prima  da Natureza.

Nota - Recebi isto num e-mail de alguém amigo e, por achar o assunto tão curioso, resolvi logo partilhá-lo com os nossos leitores, esperando que, tal como aconteceu comigo, estas bonitas imagens os encantem.

M.A.

21/09/13

CZARDAS DI MONTI




Vittorio Monti foi um compositor e maestro italiano nascido em Nápoles em 6 de Janeiro de 1868 e falecido no dia 20 de Junho de 1922.
Estudou música no Conservatório di San Pietro a Majella e, mais tarde, fixou-se em Paris, já como condutor de orquestra.
Cerca de 1904 escreveu uma inspirada música que intitulou de Czardas, talvez aquela  que mais fama lhe deu no mundo inteiro e que, quando alguém a nomeia sempre lhe acrescenta o nome do seu autor. É que czardas há muitas mas, as  Czardas de Monti são realmente uma peça única que, uma vez ouvida  ninguém  mais esquecerá.

Elas estão, até, ligadas à minha infância, com um episódio um tanto curioso.
À época, o  nosso tempo de praia era  passado na Figueira da Foz e o  meu pai gostava muito do café que era servido no chamado “Casino Oceano”, instalado num lindo edifício do centro do Bairro Novo, o qual há dois anos atrás ainda lá encontrei e gostei de rever.  Nesse café havia um quarteto (ou quinteto?) onde actuava um  saxofonista de muita qualidade.
Acontece que, um certo dia, o meu pai me encarregou de ir, junto dos músicos,  com um pedido seu para  que tocassem as Czardas de Monti e, não tardou muito, que o pedido fosse satisfeito, com muito agrado nosso e creio que dos restantes assistentes. Depois, em todos os dias que se seguiram, mal a nossa família ali entrava, pouco depois  soavam os acordes da mesma música. O mistério desta contínua deferência foi explicado, um dia, por um dos empregados de mesa:
-Ao que parece, o meu pai teria algumas semelhanças físicas com o, na altura,  embaixador português em Marrocos e por essa entidade o haviam tomado, procurando assim homenageá-lo sempre que nós chegávamos.
Bom, mas esta pequena história serviu  apenas como aperitivo de uma maravilhosa interpretação das Czardas de Montique  hoje vos trago e que também ouvireis ao clicar aqui.
Tem a particularidade de ser magistralmente executada por doze pianistas mas que, imaginem, usam um só instrumento !
A música é uma das artes infinitamente versátil e somos surpreendidos, por vezes, com  as mais variadas interpretações. Esta é mais uma das mais curiosas que tenho visto  mas que  não interfere nada com a qualidade que se deseja. Ouçam, pois e digam de vossa justiça, leitores.

M.A.  

15/09/13

FALEMOS DOS ACORDOS ORTOGRÁFICOS



TEXTO:
 
Quando eu escrevo a palavra acção, por magia ou pirraça, o computador retira automaticamente o C na pretensão de me ensinar a nova grafia.
De forma que, aos poucos, sem precisar de ajuda, eu próprio vou tirando as consoantes que, ao que parece, estavam a mais na língua portuguesa.
Custa-me despedir-me daquelas letras que  tanto fizeram por mim.
São muitos anos de convívio.
Lembro-me da forma discreta e silenciosa como todos estes CCC's e PPP's me acompanharam em tantos textos e livros desde a infância.
Na primária, por vezes gritavam ofendidos na caneta vermelha da professora:  - não te esqueças de mim!
Com o tempo, fui-me habituando à sua existência muda, como quem diz, sei que não falas, mas ainda bem que estás aí.
E agora as palavras já nem parecem as mesmas.
O que é ser proativo?
Custa-me admitir que, de um dia para o outro, passei a trabalhar numa redação, que há espetadores nos espetáculos e alguns também nos frangos, que os atores atuam e que, ao segundo ato, eu ato os meus sapatos.
Depois há os intrusos, sobretudo o R, que tornou algumas palavras arrevesadas e arranhadas, como neorrealismo ou autorretrato.
Caíram hifenes e entraram RRR's que andavam errantes.
É uma união de facto, e  para não errar tenho a obrigação de os acolher como se fossem família. Em 'há de' há um divórcio, não vale a pena criar uma linha entre eles, porque já não se entendem.
Em veem e leem, por uma questão de fraternidade, os EEE's passaram a ser gémeos, nenhum usa ( ^^^) chapéu.
E os meses perderam importância e dignidade; não havia motivo para terem privilégios. Assim, temos  janeiro, fevereiro, março, são tão importantes como peixe, flor, avião.
Não sei se estou a ser suscetível, mas sem P, algumas palavras são uma autêntica deceção, mas por outro lado é ótimo que já não tenham.
As palavras transformam-nos.
Como um menino que muda de escola, sei que vou ter saudades, mas é tempo de crescer e encontrar novos amigos.
Sei que tudo vai correr bem, espero que a ausência do C não me faça perder a direção, nem me fracione, e nem quero tropeçar em algum objeto.
Porque, verdade seja dita, hoje em dia, não se pode ser atual nem atuante com um C a atrapalhar.
Só não percebo porque é que temos que ser NÓS a alterar a escrita, se a LÍNGUA É NOSSA ...? ! ? ! ?
   


Os ingleses não o fizeram, os franceses desde 1700 que não mexem na sua língua e porquê nós ?
Será que não pudemos, com a ajuda da troika, recuperar do deficit na nossa língua ?
Ou atão deichemos que os 35 por cento de anal fabetos fassão com que a nova ortografia imponha se bué depréça !



Nota da autora do post: - A forma de escrever que me foi ensinada quando, em criança, frequentei a escola primária é aquela que ainda hoje mantenho e que tenciono continuar a usar. Discordo em absoluto do novo acordo ortográfico que nos querem impor. Ao receber  este texto,  num e-mail, não resisti à tentação de o trazer aos nossos leitores. Vinha sem o nome do seu autor mas, mesmo assim, a esse (a) desconhecido (a), eu felicito pelo sentido de humor que encontrou para comentar as duas formas de escrever e, tornar bem evidente como o sentido do texto se altera completamente, quando as palavras aparecem escritas de uma ou de outra forma. Acho que soube dizer coisas muito acertadas,  ao mesmo tempo que nos deixou com  um sorriso nos lábios. 
As três frases, em cor diferente, que aparecem entre o  texto principal e esta nota penso serem de alguém que, antes mim, o recebeu e comentou  deste modo também jocoso. Resolvi portanto deixá-las  ficar também.

M.A. 

08/09/13

JÁ OITO BOMBEIROS MORTOS, ESTE ANO, EM FOGOS FLORESTAIS



“Todos iguais, todos diferentes” foi o título que acompanhou estas imagens, que achei  
oportuno partilhar convosco. Foram-me enviadas por um amigo e entendo que servem para nos  levar, mais uma vez  a reflectir.







Desde o ano de 1986 que não se registava um número tão elevado de bombeiros vitimados em incêndios florestais.
Qualquer vida humana é importante e preciosa mas, quando a morte vem surpreender quem está numa missão de salvaguarda dos bens dos seus semelhantes e nem sempre tem ao seu dispor todos os meios considerados essenciais e adequados ao risco que enfrenta…mais triste isso se torna.

A nossa homenagem a estes oito seres humanos desaparecidos. Que descansem em paz e, com o sentido do dever cumprido.
E bem haja a todos, os outros,  homens e mulheres, que continuam , com enorme esforço, abnegação e muita coragem, prestando auxílio, num  exemplo de vida ímpar.

M.A.

05/09/13

Apresentação época 2013/2014 Cultural e Desportiva dia 7 de Setembro, no pavilhão da SIMECQ


Convidamos os nossos sócios, simpatizantes, encarregados de educação, atletas, treinadores, monitores / professores das diferentes actividades da SIMECQ a estarem presentes no dia 7 de Setembro para o arranque oficial Época 2013/2014.


Programa: 

   9h30     1º Treino de Mini Basquetebol nos escalões Sub 8,  Sub 10 e Sub 12
 11h30    Breve apresentação das equipas técnicas de Basquetebol e   
                principais  objetivos  para  a época 2013/2014 
12h00   Apresentação das actividades culturais e lúdicas para esta época:
   


  Aikido
  Atelier Artes
  Ballet
  Danças Contemporâneas
  Escola Musica
  Fitness
  Pilates
             Tango
 Teatro
12h30   Almoço Pic-Nic na esplanada da SIMECQ

Venha conhecer as nossas actividades, participe na vida da colectividade!

fc  

Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização