Como tudo começou

31/12/09

Presépios (7)


Foto minha
Num parque de estacionamento subterraneo ( Viana do Castelo)
fc

30/12/09

A CEIA DE FIM DE ANO



Caros leitores:
No comentário feito num post dedicado ao Raul Solnado, em 8/8/2009 eu disse tê-lo visto no Tivoli, representando com a Eunice Munõz uma comédia inglesa, em um acto, que achei deliciosa. Por casualidade, encontrei esta peça na net e, ao reconhecê-la, logo decidi trazê-la ao blog.

Uns, dizem-nos que este sketch mostra o jantar do 90º. aniversário de uma dama inglesa, servido pelo seu mordomo James mas, outros, enquadram a peça numa Ceia de Fim de Ano. Julgo que o título que ela teve no Tivoli foi justamente o último que referi, portanto acho que virá então a calhar nesta altura.

Acreditem que representada pelos actores portugueses mencionados acima não ficou a dever nada a esta versão inglesa. Não sei se terá ficado gravada a versão portuguesa a que assisti. Oxalá que sim porque bem gostaria de a rever.

Depois desta conversa só me resta pedir que cliqueis aqui e vos delicieis com este espantoso humor e magistral interpretação. Espero que seja do vosso agrado e vos deixe, como comigo aconteceu, de sorriso nos lábios.

P.S.- O vídeo está falado em inglês, com legendas em francês. Penso que não será difícil aos nossos leitores, num ou noutro idioma, acompanharem o diálogo. Em inglês, há certas entoações do James deveras hilariantes.
M.A.

29/12/09

Presépios (6)


Foto minha
Numa montra...
fc

27/12/09

Presépios (5)

Foto minha

Em Viana do Catelo...
fc

26/12/09

Presépios (4)

Foto minha


Um chamada de atenção para este trabalho, realizado por alunos e professores da Escola Básica de Santa Marta de Poruzelo, em Viana do Castelo, no projecto área-escola.
As figuras e adereços são feitos de material reciclado, com recurso apenas a corte e colagem...
Vejam em pormenor a imagem, porque não há bordados aqui...
Deixo um agradecimento ao pessoal Docente e Não Docente da Escola, que me facultou a entrada no estabelecimento e explicou os pormenores do trabalho.

fc

25/12/09

Boas Festas

Foto minha


Um postal único para todos os leitores do nosso blog

Que esta quadra festiva de 2009 seja vivida por todos vós com muita saúde, paz e amor.
FC
M.A

Nota: Já agora querem dizer-nos onde foi tirada esta foto??????

24/12/09

O MILAGRE DA NOITE DE NATAL



A Virgem Mãe, depois de reparar
que ninguém mais se encontrava lá na ermida,
desceu devagarinho do altar,
_como temendo ser surpreendida_

e foi espreitar, pé ante pé,
à janela que deita para a rua:
no Céu, brilhava clara a luz da lua.
Em seu altar sorria S. José…

Nem viv’ alma. E então Nossa Senhora,
segura já de que ninguém a via,
pôs em acção a ideia redentora
que tivera naquele santo dia.

Foi buscar um cestinho de costura
que ocultara no vão de uma janela.
O cesto era pertença da capela:
_não se rompesse a veste ao padre-cura…

Cortou em largas tiras o seu manto,
enfiou uma linha numa agulha
e, depois foi sentar-se para um canto
mas sem fazer a mais ligeira bulha.

Quem a visse coser assim tão bem,
ora enfiando ora puxando a linha,
di-la-ia a melhor costureirinha,
mas nunca, certamente, a Virgem Mãe!

O S.José sorria sempre muito,
olhando-a com sincera devoção:
é que ele bem sabia o meigo intuito
que obrigava a Senhora a tal serão.

Os outros Santos, todos num cochicho,
não perdiam de vista o altar-mor,
o Santo António, para ver melhor,
até ia caindo do seu nicho…

Houve uma Santa – a gentileza manda
sobre o seu nome conservar sigilo –
que até ficou de resplendor à banda,
tais voltas deu para espreitar aquilo.

A Senhora entretanto costurava,
presa num sonho que se não descreve,
alheia ao tempo que fugia breve
e ao pasmo que em redor se condensava.

Esteve assim cosendo horas a fio,
à frouxa luz da trémula candeia.
De entretida, nem dava pelo frio…
E, contudo, nevava sobre a aldeia!

Fez bibes, camisinhas, tudo quanto
pode servir de abafo a um petiz.
Cada vez refulgia mais feliz
o seu olhar imaculado e santo.

E as peças que a Senhora ia acabando
os anjos de um retábulo da igreja
levavam-nas depois num voo brando
– voo de pomba que no Céu adeja –

às criancinhas que andam pelo mundo
sem roupa, sem abrigo e sem família…
A Virgem continuava na vigília.
Havia em roda um soluçar profundo.

Por fim, adormeceu, ou de cansaço
ou por doce milagre de Jesus.
– Um enxoval inteiro no regaço
e na fronte uma auréola de luz!

E de manhã na missa do Natal,
quando o prior saiu da sacristia,
foi encontrar a Virgem que dormia
_ tendo nas mão a agulha e o dedal.

Adolfo Simões Müller
«Caixinha de Brinquedos»
Este poema teve o 1º prémio nacional de Literatura Infantil em 1973

Imagem- Adoração dos Pastores de Jusepe de Ribera
M.A.

23/12/09

Presépios (3)

Foto minha

Em Ponte de Lima

fc

22/12/09

UMA HISTÓRIA DE NATAL



Era uma manhã de Dezembro já bastante perto do Natal. Estava frio e a respiração que saía do meu nariz formava logo aquela nuvenzinha opaca pela enorme diferença com a temperatura exterior. Saíra com a intenção de ir procurar algumas prendas de Natal e, mentalmente, ia imaginando o que compraria, de acordo com o gosto daqueles a quem elas se destinavam. Eis senão quando reparei em quatro garotos, bastante pequenos, que caminhavam à minha frente, falando animadamente. Tinham como tema as prendas que o Menino Jesus colocaria nos sapatinhos e, vai daí, a minha atenção ficou logo presa àquela conversa, em prejuízo da intenção que me fizera sair de casa. Decidi portanto ir fazendo o mesmo percurso que eles.

Os brinquedos e jogos iam sendo enumerados, qual deles o mais sofisticado. Os sapatos de cada um estavam já a abarrotar… e a graça é que , nem punham só hipóteses de receber tais prendas, tinham já certezas! O Menino Jesus só teria mesmo que ler aquela lista e “dar despacho” aos pedidos de cada um!
Ouvindo aquele punhado de sonhos ali expostos à minha “cusquice” eu ia sorrindo divertida …
Aconteceu então que um dos miúdos que, até aí se mantivera calado, levantou a sua voz para dizer o seguinte:
Olhem, sabem que mais? Não é nada o Menino Jesus quem traz as prendas…São os nossos pais que as compram para nós…»
Fez-se um breve silêncio logo seguido de um protesto da parte dos outros. Mas, o garoto, muito sério, prosseguiu:
_«E sabem porque digo eu isto?… Para casa dos ricos é que vão os brinquedos mais caros e melhores e eu sempre ouvi dizer que o Menino Jesus é bom e amigo de todos, portanto não ia tratar pior os pobres se fosse realmente Ele a trazer as prendas!…»

O meu sorriso logo desapareceu… senti que aquela manhã ficara de repente mais fria e, ainda hoje, não esqueci a lógica do discurso daquela criança.

Este garoto existiu realmente. Embora haja já passado cerca de meio século sobre o episódio que relatei, julgo ter repetido textualmente as palavras que ouvi àquela criança .
(Na imagem, uma composição de Natal, da autora do post)
M.A.

21/12/09

Presépios (2)

Foto minha

Numa montra...
fc

20/12/09

Rabanadas Light

Quem é amiguinho, quem é?????



Ingredientes


• 7 fatias de pão de forma light
• 1 chávena (chá) de leite desnatado
• 3 col. (sopa) de adoçante
• 1 col. (chá) de essência de baunilha
• 1 ovo inteiro
• 3 col. (sopa) de água
• 1 col. (sopa) de margarina light
• ½ chávena (chá) de leite em pó desnatado
• 1 col. (sobremesa) de canela em pó
• 3 col. (sobremesa) de adoçante culinário


Modo de preparação

Corte as fatias do pão na diagonal, formando dois triângulos com cada fatia. Reserve. Misture o leite, o adoçante e a baunilha e reserve. Bata ligeiramente o ovo e misture a água. Reserve. Passe o pão no leite e, em seguida no ovo batido. Coloque as fatias numa forma untada e leve ao forno preaquecido a 180° C 8 minutos. Aos 4 minutos vire as rabanadas para dourarem dos dois lados. Misture o leite em pó, a canela e o adoçante até obter uma calda homogénea e polvilhe as rabanadas.

Calorias por fatia: 100

fc

19/12/09

Presépios (1)


Foto minha
Numa montra...

fc

18/12/09

POBRES DOS NOSSOS RICOS


A maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos.

Mas ricos sem riqueza.

Na realidade, melhor seria chamá-los não de ricos, mas de endinheirados.

Rico é quem possui meios de produção.

Rico é quem gera dinheiro e dá emprego.

Endinheirado é quem simplesmente tem dinheiro, ou que pensa que tem.

Porque, na realidade, o dinheiro é que o tem a ele.

A verdade é esta: são demasiados pobres os nossos "ricos".

Aquilo que têm, não detêm.

Pior, se aquilo que exibem como seu, é propriedade de outros.

É produto de roubo e de negociatas.

Não podem, porém, estes nossos endinheirados usufruir em tranquilidade de tudo quanto roubaram.

Vivem na obsessão de poderem ser roubados.

Necessitavam de forças policiais à altura.

Mas forças policiais à altura acabariam por lançá-los a eles próprios na cadeia.

Necessitavam de uma ordem social em que houvesse poucas razões para a criminalidade.

Mas se eles enriqueceram foi graças a essa mesma desordem (...)

MIA COUTO
M.A.

16/12/09

O TELEMÓVEL CAIU NA ÁGUA? COMO O RECUPERAR?1º-Comece por secar o aparelho o melhor possível, com uma flanela. Depois retire a bateria e coloque-o num recipiente cheio de arroz cru.

2º Não use o secador de cabelo no telemóvel. Assistências técnicas aconselham evitá-lo já que o o ar quente pode danificar os componentes do telefone.

3º- «O arroz tem a propriedade de absorver a água porque é rico em amido, que possui uma forte afinidade eléctrica com as moléculas da água e acaba atraindo-as » -afirma Maria Cristina dos Santos Professora do Instituto de Física da USP.

(Recebido num e-mail)
M.A.

14/12/09

O AMOR VISTO PELAS CRIANÇAS


«Quando a minha avó ficou com artrite, não se podia dobrar para pintar as unhas dos dedos dos pés. Portanto o meu avô passou a fazer isso por ela, mesmo quando apanhou também artrite nas mãos. Isso é o amor.» Rebeca, 8 anos

«Quando alguém te ama, a maneira como pronuncia o teu nome é diferente. Tu sentes que o teu nome está seguro na boca dessa pessoa.» Billy, 4 anos

«O amor é quando uma rapariga põe perfume e um rapaz põe colónia da barba e, se vão sair juntos, se cheiram um ao outro.» Karl, 5 anos

«O amor é quando vais comer fora e dás grande parte das tuas batatas fritas a alguém, sem o obrigares a dar-te das dele.» Chrissy, 6 anos

«O amor é o que te faz sorrir quando estás cansado.» Terri, 4 anos

«O amor é quando a minha mamã faz café ao meu papá e bebe um golinho antes de lho dar, para ter a certeza de que o sabor está bom.» Danny, 7 anos

«O amor é estar sempre a dar beijinhos. E, depois, quando já estás cansado dos beijinhos, ainda queres estar ao pé daquela pessoa e falar com ela. O meu pai e a minha mãe são assim. Eles são um bocado nojentos quando se beijam.» Emily, 8 anos

«O amor é aquilo que está contigo na sala, no Natal, se parares de abrir os presentes e escutares com atenção.» Bobby, 7 anos

«Se queres aprender mais sobre o amor, deves começar por um amigo que odeies.» Nikka, 6 anos

«O amor é quando dizes a um rapaz que gostas da camisa dele e, depois, ele usa-a todos os dias.» Noelle, 7 anos

«O amor é quando um velhinho e uma velhinha ainda são amigos, mesmo depois de se conhecerem muito bem.» (nem Sócrates, Descartes ou Freud diriam algo mais certo...) Tommy, 6 anos

«Durante o meu recital de piano, eu estava no palco e sentia-me apavorada. Olhei para todas as pessoas que estavam a olhar para mim e reparei no meu pai que estava a acenar-me e a sorrir. Era a única pessoa a fazer aquilo. O medo desapareceu»Cindy, 8 anos

«A minha mãe ama-me mais do que ninguém. Não vês mais ninguém a dar-me beijinhos antes de adormecer.» Clare, 6 anos

«Amor é quando a mamã dá ao papá o melhor pedaço da galinha.» Elaine, 5 anos

«Amor é quando a mamã vê o papá bem cheiroso e arranjadinho e diz que ele ainda é mais bonito do que o Robert Redford.» Chris, 7 anos

«Amor é quando o teu cãozinho te lambe a cara toda, apesar de o teres deixado sozinho todo o dia .» Mary Ann, 4 anos

«Eu sei que a minha irmã mais velha me ama, porque me dá todas as roupas usadas e depois tem de ir comprar outras.» Lauren, 4 anos

«Quando amas alguém, as tuas pestanas andam para cima e para baixo e saem estrelinhas de ti.» (quanta arte!) Karen, 7 anos

«Amor é quando a mamã vê o papá na casa de banho e não acha isso indecente.» Mark, 6 anos

«Nunca devemos dizer 'Amo-te', a menos que seja mesmo verdade. Mas se for, devemos dizer muitas vezes. É que as pessoas esquecem-se .»Jessica, 8 anos

E a última? O autor e conferencista Leo Buscaglia falou de um concurso em que ele teve de ser júri. O objectivo era encontrar a criança mais cuidadosa.
A vencedor foi um rapazinho de quatro anos, cujo vizinho era já velhote e perdera recentemente a esposa. Depois de ter visto o senhor a chorar, o menino foi ao quintal do velhote, subiu para o seu colo e sentou-se. Quando a mãe perguntou o que dissera ao vizinho, o rapazinho respondeu:
"Nada, só o ajudei a chorar".

(Recebido num e-mail)
M.A.

12/12/09

TENS UMA MOTA?


Este é um aviso sério aos leitores que tenham uma mota. Nunca a deixem em casa da avó se acaso ela for uma habilidosa nas artes do tricot e do crochet. Vejam o que aconteceu à mota do Robert!...





As avós são sempre umas queridas! Espero que tenham achado graça e tomado bem conta do aviso que vos é feito!
M.A.

10/12/09

Presentes com arte / Bazar Natal SIMECQ

Tudo o que vê nestas imagens é produzido no nosso Atelier.










Reforçando o que dissemos aqui e aqui, não deixe de passar pelo nosso bazar.
Ajude a colectividade!
Ofereça prendas diferentes, personalizadas e únicas!

fc

09/12/09

Rossio


Numa das minhas visitas habituais a este vizinho, vi esta foto e comentei que tinha gostado tanto dela que me apetecia roubá-la.

Foi grande a surpresa quando em vez de uma recebi a colecção.

Obrigada.

E já agora amantes de Lisboa, espreitam o que por aqui se diz.

fc












08/12/09

Desafio

Passem por aqui e agarrem o desafio!



fc

06/12/09

MIRANDA DO DOURO (1ª parte)

Caros leitores:


Estamos hoje a convidá-los para uma ida até Trás-os-Montes, mais propriamente até à cidade de Miranda do Douro, no Distrito de Bragança.
São «Passeios Nocturnos Pela Cidade Antiga» como lhe chamou o autor destas bonitas fotos e das notas históricas que as acompanham. É ele o nosso caro Amigo Fausto, que já não é a primeira vez que aparece no Blog. Clicando aqui e aqui, podereis recordar dois posts anteriores feitos igualmente com fotos suas.
Perante a beleza das imagens de hoje, bem como a do fundo musical escolhido para elas, pensamos que todas as palavras se tornam desnecessárias e, portanto, apressamo-nos a deixá-los apreciar com todo o sossego o vídeo seguinte:

video


Se acaso alguém quiser saber mais sobre Miranda do Douro queira procurar aqui.
Este, é o primeiro de um conjunto de três séries de fotos, sobre Miranda, que este Amigo nos mandou. Os dois seguintes aparecerão, em breve, aqui no blog.

(Fotos e dados históricos de Fausto Andrade. Conversão em vídeo de F.Rezende)
Fiquem bem.
M.A.

05/12/09

Bazar de Natal - Já abriu na SIMECQ

Já fez a sua lista de compras???
Apareça por cá. Temos boas sugestões para si!
fc

Convite


A Escola de Artes Decorativas do Bugio apresenta a sua 20 exposição.
Deixamos-lhe o convite!
fc

04/12/09

LINDA-A PASTORA

(Almeida Garrett)


«…Já me eram familiares de anos aqueles sítios; mas posso dizer que os não conheci bem e como eles são deveras, senão quando, haverá hoje três anos, ali fui um dia primeiro de Maio. Fui, como de maravilha em maravilha, por todos os pontos que tenho nomeado; mas chegando à ribeira de Jamor, parei extasiado no meio de sua ponte, porque a várzea que daí se estende, recurvando-se pela direita para Carnaxide e os montes que a abrigam em derredor, estava tudo de uma beleza que verdadeiramente fascinava…
…O lugarejo é bem conhecido de nome e de fama, chama-se Linda-a-Pastora. Porquê? Não sei. Têm-me jurado antiquários de “meia-tigela” que o seu nome verdadeiro é Niña, a Pastora. Mas enquanto não achar algum de “tigela inteira” que me saiba dar a razão porque se havia de chamar assim, meio português meio castelhano, um aldeote de ao pé de Lisboa – hei-de chamar-lhe eu, como os seus habitantes e toda a gente diz: Linda-a-Pastora…»

Este, é um excerto de Almeida Garrett, no seu “Romanceiro” descrevendo os passeios que dá pela zona do Jamor. Convido-os a lerem a descrição na integra;, ela é deveras interessante, tanto mais escrita como está, num português primoroso. Depois fala do que ele chama um “romance de endechas mas que no fundo é uma verdadeira pastorela do género provençal” cujo título é “A Pastorinha” mas que o romancista decidiu que “aqui, era justo e natural que lhe desse o de Linda-a- Pastora , que assentei conservar-lhe.


_«Linda Pastorinha que fazeis aqui?»
_«Procuro o meu gado que por aí perdi.»
_«Tão gentil senhora a guardar o gado! »
_«Senhor, já nascemos para este fado.»
_«Por estas montanhas em tão grande p’rigo!»
Diga-me ó menina, se quer vir comigo.
_«Um senhor tão guapo dar tão mau conselho
Querer que se perca o gado alheio!»
_«Não tenha esse medo que o gado se perca
Por aqui passarmos uma hora de sesta.»
_«Tal razão como essa não na ouvirei:
Já dirão meus amos que demais tardei.»
_«Diga-lhe, menina, que se demorou
Co esta nuvem de água que tudo molhou.»
_«Falarei verdade, que mentir não sei:
À volta do gado eu me descuidei.»
_«Pastorinha, escute, que oiço balar gado…»
_«Serão as ovelhas que me têm faltado.»
_«Eu lhas vou buscar já muito depressa,
Nem que me espedasse por esta charneca.»
_«Ai como vai grave de meias de seda!
Olhe não as rompa por essa resteva.»
_«Meias e sapatos, tudo romperei
Só por lhe dar gosto, minha alma, meu bem.»
_«Ei-lo aqui vem; é todo o meu gado.»
_«Meu destino foi ser vosso criado.»
_«Senhor, vá-se embora, não me dê mais pena,
Que há-de vir meu amo trazer-me a merenda.»
_«Se vier seu amo, venha muito embora;
Diremos, menina, que cheguei agora.»
_«Senhor, vá-se, vá-se, não me dê tormento:
Já não quero vê-lo nem por pensamento.»
_«Pois adeus, ingrata de Linda-a-Pastora!
Fica-te, eu me vou pela serra fora.»
_«Venha cá, senhor, torne atrás correndo…
Que o amor é cego, já me está rendendo.»
Sentaram-se à sombra…tudo estava ardendo…
Quando elas não querem, então ‘stão querendo.


Até breve, para falar de outro qualquer assunto.
M.A.

02/12/09

TERNURA E BOM HUMOR CANINOS


Mais uma vez daremos voz a um nosso amigo cão que nos vai explicar como se deve abraçar um bebé que, como todos sabem, precisa ser tratado sempre com muito cuidado e carinho.

-«Primeiro, procuramos o tal bebé…Pronto… já aqui está um e bem giro, por sinal! »


-«Assegura-te de que o que encontraste é realmente um bebé. Usa a clássica técnica do olfacto que, normalmente funciona bastante bem. »

-«Antes do abraço propriamente dito talvez precises imobilizar um pouco o “objecto” para que não se mova e estrague o plano. A cabeça, se fores grande, talvez seja uma boa opção.»

-«Se houver uma câmara vídeo por perto vai colocando as patas em redor do objecto e prepara-te para um possível primeiro plano. »

-«Depois, se realmente há a tal câmara vídeo e queres que a foto saia perfeita, terás que executar uma difícil e fotogénica pose que, aos donos do “objecto” encantará.»

-«Agora, muita atenção, leitor, ou leitora:_ Se não mandas rapidamente esta foto a um amigo teu, como castigo, irás ter um qualquer canito a fazer um xixi no teu PC.

Vês!?... Não enviaste com a devida rapidez!...

Espero ter-vos despertado um sorriso com esta história e estas imagens que recebi num mail e resolvi trazer ao blog. Até breve.
M.A.

01/12/09

RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA


Na imagem que abre o nosso post de hoje vê-se o Obelisco dos Restauradores, em Lisboa, inaugurado em 1886 sob projecto de António Tomás da Fonseca . Tem 30 m de altura e, as duas figuras de bronze que nele figuram, simbolizam o génio da Liberdade e o génio da Independência. Ele perpetua a memória da Revolução de 1640, quando um grupo de valentes portugueses de insurgiu contra a unificação das coroas de Espanha e Portugal, iniciada em 1580. São passados 369 anos mas, nunca é demais lembrar este importante acontecimento da nossa Historia . Se o quiser recordar poderá mesmo clicar aqui.

A outra imagem, cópia de uma gravura da época, mostra-nos alguns episódios da Restauração:
A- Morte de Miguel de Vasconcelos. B, C e D, respectivamente, Aclamação, Juramento e Coroação de D. João IV, que aparece também no medalhão central.
Finalmente mostramos a cópia de uma miniatura de D. Luísa de Gusmão, mulher de D.João IV, que se destacou também de forma preponderante neste processo. A ela se atribui a frase: “Antes morrer reinando do que acabar servindo”, como forma de encorajamento num momento em que sentiu alguma hesitação no marido, ainda Duque de Bragança, numa das reuniões preparatórias para a Revolução. Igualmente se diz que foi ela própria a armar os seu filhos cavaleiros para se juntarem aos outros fidalgos. Mais tarde, em 1560, já viúva, assumiu com coragem e acerto a regência do Reino durante a menoridade do filho, futuro D. Afonso VI. Parece-nos pois justo salientar também esta figura de Mulher na data que hoje se celebra.

(Imagem do Obelisco, do livro Lisboa, de J.V Adragão e Natália P.R. Rasquilho. Imagem da gravura e miniatura de D.,Luísa de Gusmão da História de Portugal de J. Veríssimo Serrão)
M.A.
Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização