Como tudo começou

17/06/11

VELHARIAS



Leitores:

Uma vez mais estou a convidar-vos para uma viagem ao baú das recordações. Eis uma colecção de imagens que fará recuar no tempo, todos aqueles que, neste momento, são os menos jovens e, quem sabe, lhes despertará mesmo algum sorriso.
Para os mais novos, alguns destes objectos poderão até, ser desconhecidos.





Este vídeo chegou num e-mail e decidi logo partilhá-lo convosco. Creio que vos proporcionarei uns instantes divertidos.
Até breve. M.A.

4 comentários:

J Pinto disse...

Achei imensa graça.
Das velharias apresentadas quero dar ênfase ao papel selado com que, há uns tempos atrás, nos dirigíamos reverencialmente aos serviços do Estado. De igual modo, a licença de isqueiro. Sim, nesse tempo, também se pagava licença para acender o cigarro!

Clotilde Moreira disse...

Gostei principalmente das máquinas de escrever pois foram muito uteis para o segundo emprego que tive.
Clotilde

M.A. disse...

J. Pinto:
Pois, a licença de isqueiro era necessária sempre que o cigarro não se acendesse debaixo de telha, o que simbolizava "dentro de casa". Não sei se se lembra que, numa queima das fitas, os estudantes fizeram uma paródia acendendo os cigarros com uma telha de barro sobre a cabeça! Gratas pela visita.

M.A. disse...

Clotilde:
Creio que já foram duas as vezes em que mostramos posts com colecções de máquinas de escrever antigas. Uma vez que é um assunto que lhe agrada diga-nos se não os viu para lhe mandarmos os respectivos links. Volte sempre.

Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização