Como tudo começou

07/01/09

Almeirim e a sopa pedra

Escultura em Almeirim

A lenda:
Diz a lenda que um belo dia um frade andava no peditório. Chegou à porta de um lavrador, não lhe quiseram aí dar esmola. O frade estava a cair com fome, e disse:
- Vou ver se faço um caldinho de pedra!
E pegou numa pedra do chão, sacudiu-lhe a terra e pôs-se a olhar para ela, para ver se era boa para fazer um caldo. A gente da casa pôs-se a rir do frade e daquela lembrança.
Perguntou o frade :
- Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa boa.
Responderam-lhe :
- Sempre queremos ver isso!
Foi o que o frade quis ouvir. Depois de ter lavado a pedra, pediu :
- Se me emprestassem aí um pucarinho.
Deram-lhe uma panela de barro. Ele encheu-a de água e deitou-lhe a pedra dentro.
- Agora, se me deixassem estar a panelinha aí ao pé das brasas.
Deixaram. Assim que a panela começou a chiar, tornou ele :
- Com um bocadinho de unto, é que o caldo ficava um primor!
Foram-lhe buscar um pedaço de unto. Ferveu, ferveu, e a gente da casa pasmada pelo que via. Dizia o frade, provando o caldo :
- Está um bocadinho insosso. Bem precisava de uma pedrinha de sal.
Também lhe deram o sal. Temperou, provou e afirmou :
- Agora é que, com uns olhinhos de couve o caldo ficava que até os anjos o comeriam!
A dona da casa foi à horta e trouxe-lhe duas couves tenras.
O frade limpou-as e ripou-as com os dedos, deitando as folhas na panela.
Quando os olhos já estavam aferventados, disse o frade :
- Ai, um naquinho de chouriço é que lhe dava uma graça.
Trouxeram-lhe um pedaço de chouriço. Ele botou-o à panela e, enquanto se cozia, tirou do alforje pão e arranjou-se para comer com vagar. O caldo cheirava que era uma regalo. Comeu e lambeu o beiço. Depois de despejada a panela, ficou a pedra no fundo. A gente da casa, que estava com os olhos nele, perguntou:
- Ó senhor frade, então a pedra?
Respondeu o frade :
- A pedra lavo-a e levo-a comigo para outra vez.

A Receita:
Ingredientes
2,5 l de água
1 kg de feijão vermelho
1 orelha de porco
1 chouriço de carne
1 chouriço de sangue (morcela)
200g de toucinho
2 cebolas
2 dentes de alho
700g de batatas
1 molho de coentros
Sal, louro e pimenta a gosto

Preparação
Ponha o feijão a demolhar de um dia para o outro. De véspera, escalde e raspe a orelha de porco de modo a ficar bem limpa. No próprio dia, leve o feijão a cozer em água, juntamente com a orelha, os enchidos, o toucinho, as cebolas, os dentes de alho e o louro. Tempere de sal e pimenta. Junte mais água, se for necessário. Quando as carnes e os enchidos estiverem cozidos, tire-os do lume e corte-os em bocados. Junte, então, à panela as batatas, cortadas em cubinhos e os coentros bem picados.
Deixe ferver lentamente até a batata estar cozida. Tire a panela do lume e introduza as carnes previamente cortadas. No fundo da terrina onde vai servir a sopa coloque uma pedra bem lavada.

6 comentários:

Patti disse...

Aos anos que não vou lá e até fica bem perto de Lsiboa.
Acho que vou almoçar mais cedo hoje, com esta abertura de apetite.

pensamentosametro disse...

Pronto, a minha receita é um nadinha diferente, mas como sou da zona tenho direito a alguns segredos, ehehehe.

Há uma variante também muito agradável, deu-me uma ideia para a minha "cozinha".

Bjos


Tita

pensamentosametro disse...

Pronto, a minha receita é um nadinha diferente, mas como sou da zona tenho direito a alguns segredos, ehehehe.

Há uma variante também muito agradável, deu-me uma ideia para a minha "cozinha".

Bjos


Tita

Fatima disse...

Patti estive lá o mês passado, e lembrei-me logo dos vizinhos do blogobairro.

Tita quando escrevi o post, fiquei logo à espera do etu comentário. Sabia que vinhas cá...porque será???

Depois digam se a receita é boa!

M.A. disse...

Já agora uma pergunta à Fatinha...Que "olhos" é que estavam aferventados os do frade ou os das couves? Convém esclarecer estes pormenores!

Fatima disse...

Amélia... os do frade!!!!!

Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização