Como tudo começou

29/12/10

COISAS QUE NUNCA DEVERÃO MUDAR EM PORTUGAL



Portugueses:

2010 tem sido um ano difícil para muitos; incerteza, mudanças, ansiedade sobre o futuro. O espírito do momento e de pessimismo, não de alegria. Mas o ânimo certo para entrar na época natalícia deve ser diferente. Por isso permitam-me, em vésperas da minha partida pela segunda vez deste pequeno jardim, eleger dez coisas que espero bem que nunca mudem em Portugal.

9:55 - 20 de Dezembro e 2010

1.A ligação intergeracional. Portugal é um país em que os jovens e os velhos conversam - normalmente dentro do contexto familiar. O estatuto de avô é altíssimo na sociedade portuguesa - e ainda bem. Os portugueses respeitam a primeira e a terceira idade, para o benefício de todos.
2. O lugar central da comida na vida diária. O almoço conta - não uma sandes comida com pressa e mal digerida, mas uma sopa, um prato quente etc, tudo comido à mesa e em companhia. Também aqui se reforça uma ligação com a família.
3. A variedade da paisagem. Não conheço outro pais onde seja possível ver tanta coisa num dia só, desde a imponência do rio Douro até à beleza das planícies do Alentejo, passando pelos planaltos e pela serra da Beira Interior.
4. A tolerância. Nunca vivi num país que aceita tão bem os estrangeiros. Não é por acaso que Portugal é considerado um dos países mais abertos aos emigrantes pelo estudo internacional MIPEX.
5. O café e os cafés. Os lugares são simples, acolhedores e agradáveis; a bebida é um pequeno prazer diário, especialmente quando acompanhado por um pastel de nata quente.
6. A inocência. É difícil descrever esta ideia em poucas palavras sem parecer paternalista; mas vi no meu primeiro fim de semana em Portugal, numa festa popular em Vila Real, adolescentes a dançar danças tradicionais com uma alegria e abertura que têm, na sua raiz, uma certa inocência.
7. Um profundo espírito de independência. Olhando para o mapa ibérico parece estranho que Portugal continue a ser um país independente. Mas é e não é por acaso. No fundo de cada português há um espírito profundamente autónomo e independentista.
8. As mulheres. O Adido de Defesa na Embaixada há quinze anos deu-me um conselho precioso: "Jovem, se quiser uma coisa para ser mesmo bem feita neste país, dê a tarefa a uma mulher". Concordei tanto que me casei com uma portuguesa.
9. A curiosidade sobre, e o conhecimento, do mundo. A influência de "lá" é evidente cá, na comida, nas artes, nos nomes. Portugal é um pais ligado, e que quer continuar ligado, aos outros continentes do mundo.
10. Que o dinheiro não é a coisa mais importante no mundo. As coisas boas de Portugal não são caras. Antes pelo contrário: não há nada melhor do que sair da praia ao fim da tarde e comer um peixe grelhado, acompanhado por um simples copo de vinho. Então, terminaremos a contemplação do país não com miséria, mas com brindes e abraços. Feliz Natal.


Este, foi um artigo que o Embaixador da Grã-Bretanha, ao deixar Portugal, publicou no «Expresso», em 18 de Dezembro de 2010.
Embora tenham já decorrido alguns dias sobre o seu aparecimento no jornal não deixamos de o transcrever por nos parecer, que estas palavras, vindas de alguém que viveu algum tempo entre nós, fazem bem ao ego dos portugueses e lhes podem transmitir também alguma esperança, que tão precisa é nos momentos que todos atravessamos.
M.A.

4 comentários:

Quica disse...

Os estrangeiros conseguem apreciar melhor o que de bom o nosso país tem.Os portugueses depreciam tudo o que existe em Portugal.
Este artigo do Embaixador inglês num momento em que tudo parece negro,transmite-nos tranquilidade e esperança no futuro.
Votos de um ANO NOVO COM SAÚDE e PAZ PARA O MUNDO.

Fatima disse...

Dá Deus nozes, a quem não tem dentes para as roer.....

M.A. disse...

Penso que também, felizmente, ainda há muitos portugueses que se apercebem de que temos bastantes coisas de que nos podemos orgulhar. Estas que o embaixador apontou são só algumas delas. O intuito que me moveu a transcrevê-las aqui foi, justamente, aquele que mencionei no fim do post fazer elevar a nossa auto estima.
Respondendo à Fátima eu direi que Deus dá as nozes a todos nós e não apenas aos que estão sem dentes para as roer...
A cada qual cabe é, depois, o trabalho para chegar até ao processo de as descascar e comer. Se tem falta de dentes rala-as e...está feito! Abraço.

Cláudia disse...

Sou brasileira e me emocionei muito ao ler as palavras do embaixador, que vão ao encontro do que penso e que me fizeram "viajar" por essa terra tão querida!!!
Portugal está no meu coração (sou orgulhosa de ser casada com um português e ter 4 luso-brasileirinhos) então quando volto para cá venho cheia de saudades, já querendo retornar!!!

Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização