Como tudo começou

06/10/11

QUANDO CRIANÇA, EU RECITAVA ISTO:



Um dia destes dei comigo a recordar duas curtas rimas que costumava dizer, quando criança, para a minha família.
Fazia-o geralmente empoleirada numa cadeira, feliz pela importância que os assistentes familiares me dispensavam e depois me tributavam em calorosas palmas.
Penso que, na altura, estas lengalengas eram bastante populares, portanto, quem sabe, com elas, eu irei despertar recordações semelhantes em algum dos nossos leitores…

O SERMÃO DE S.COELHO

O sermão de S. Coelho
Com seu barrete vermelho
Sua espada de cortiça
Mata a carriça!
A carriça deu um berro
Que toda a gente atormentou
Só cá esta menina
É que não se importou!

À MORTE NINGUÉM ESCAPA


À morte ninguém escapa,

morre o rei, morre o bispo, morre o papa.

Mas eu não morrerei!

Compro uma panela,

que me custa um vintém.

Meto-me dentro dela

e tapo-me muito bem.

Então a morte passa e diz:

- Truz, truz! Quem está ali?

- Aqui? Aqui não está ninguém!

Adeus meus senhores e…

passem muito bem!
M.A.

3 comentários:

Clotilde Moreira disse...

Minha Amiga
Eu sei diferente:

À morte ninguém escapa
morre o rei e morre o papa
mas eu vou ao Grandela
e compro uma panela
e meto-me dentro dela.
Passa a morte e diz:
aqui não está ela.
Clotilde

Clotilde Moreira disse...

Minha Amiga
Eu sei diferente:

À morte ninguém escapa
morre o rei e morre o papa
mas eu vou ao Grandela
e compro uma panela
e meto-me dentro dela.
Passa a morte e diz:
aqui não está ela.
Clotilde

M.A. disse...

Pois é Clotilde...eu morava numa vila (hoje cidade, claro) da Beira Litoral e nem sonhava que havia "O Grandela" por estas bandas! As criancinhas de Lx. eram gente mais fina!
Mas estou contente porque aconteceu o que eu desejei, que foi trazer à lembrança de alguém recordações de infância semelhantes.
Abraços de agradecimento e volte sempre.

Sociedade de Instrução Musical e Escolar Cruz Quebradense

Localização

Localização
Localização